Polícia mata sobrinho de ministra israelense na Cisjordânia

Ben Yossef Livnat pertencia a uma corrente ultraortodoxa, de seguidores do rabino Brasslav

BBC Brasil |

selo

Um sobrinho de uma ministra israelense foi morto quando policiais da Autoridade Nacional Palestina abriram fogo contra três veículos que tentaram derrubar barreiras perto da Tumba de José, na cidade de Nablus, na Cisjordânia. Outros três israelenses ficaram feridos.

Ben Yossef Livnat, 25 anos, sobrinho da ministra da Cultura, Limor Livnat, pertencia a uma corrente ultraortodoxa, de seguidores do rabino Brasslav, e costumava participar de orações coletivas na cidade de Nablus, junto à Tumba de José.

O local, onde, segundo a tradição, foi enterrado o patriarca José, serve de ponto de peregrinação para judeus ultraortodoxos e se encontra sob a guarda de policiais palestinos.

Geralmente a entrada dos fiéis em Nablus, cidade sob controle da Autoridade Nacional Palestina, é coordenada com o Exército israelense, que escolta os veículos e informa a policia palestina.

Neste caso, segundo porta-vozes do Exército israelense e da polícia palestina, os fiéis não coordenaram a entrada no território palestino.

A ministra Livnat declarou que seu sobrinho foi "assassinado por terroristas disfarçados de policiais da Autoridade Palestina". Livnat também disse que Ben Yossef "era um inocente, que só queria rezar junto à Tumba de José".

O Exército israelense qualifica o incidente como uma "falha grave de coordenação entre as forças israelenses e as forças palestinas".

Porém, o ministro da Defesa, Ehud Barak, afirmou que "nenhuma falha justifica atirar contra inocentes" e exigiu que a Autoridade Nacional Palestina tome medidas contra os responsáveis.

Tiros de advertência

O porta-voz da polícia palestina, Adnan Damiri, disse que os guardas da Tumba de José estão sendo interrogados e que, antes de atirarem nos veículos israelenses, eles dispararam tiros de advertência.

Damiri também afirmou que os policiais palestinos atiraram nos veículos "pois se sentiram ameaçados e os israelenses não pararam, apesar das advertências".

O presidente do Conselho de Judéia e Samaria, Danny Dayan, líder dos colonos israelenses na Cisjordânia, disse que o incidente foi um "atentado, um assassinato proposital".

Dayan atribuiu a responsabilidade à Autoridade Nacional Palestina. "A própria Autoridade Palestina apertou o gatilho", afirmou.

Há três lugares nos territórios palestinos nos quais, segundo a tradição judaica, foram enterrados patriarcas e matriarcas do povo judeu - a Tumba de José, em Nablus, a Tumba de Raquel, na cidade de Belém, e a Tumba dos Patriarcas, na cidade de Hebron.

Os três locais constituem pontos de atrito entre israelenses e palestinos.

    Leia tudo sobre: irsaelmorte

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG