Skopje, 21 jun (EFE).- Um jornalista macedônio foi preso sob suspeita de ser o assassino de três mulheres, crimes sobre os quais escrevia nos jornais em que trabalhava, confirmou hoje à Agência Efe o porta-voz do Ministério do Interior da Macedônia, Ivo Kotevski.

De acordo com as autoridades, Vlado Taneski, de 56 anos, pode ser o responsável pelas mortes de três mulheres com idades entre 55 e 70 anos.

Taneski foi detido ontem, depois que a Polícia confirmou, por meio de exames de DNA, que o esperma encontrado em duas das vítimas era dele.

Segundo informações, os crimes aconteceram na cidade de Kicevo, em 2003, 2004 e maio deste ano.

"O monstro de Kicevo", como o jornalista está sendo chamado pela imprensa macedônia, trabalhava no jornal "Utrinski Vesnik" e também como correspondente local do "Nova Makedonija".

"Quando escrevia sobre os assassinatos, ele visitava as famílias das vítimas e falava com elas sobre o que tinha acontecido. Mas, na verdade, acompanhava o desenvolvimento das investigações", disse Kotevski.

A Polícia suspeita que Taneski tenha algum cúmplice.

O perfil das vítimas é similar. Todas eram mulheres que trabalhavam com limpeza, mães solteiras e fisicamente parecidas com sua mãe, com quem não se relacionava bem.

Segundo as investigações, Taneski seqüestrava as vítimas, submetia-as a maus-tratos brutais, violentava-as e asfixiava-as.

Após esquartejar os corpos, o jornalista colocava os pedaços em sacos de plástico e os jogava em vários aterros ilegais que ficam ao longo da estrada que liga a capital macedônia, Skopje, a Ohrid.

Em suas reportagens, Taneski costumava dar detalhes das investigações dos assassinatos das mulheres em Kicevo, casos que já foram levados à Justiça e que resultaram na condenação de duas pessoas à prisão perpétua, apesar de ambas terem negado qualquer envolvimento nas mortes.

A Polícia deve pedir ainda hoje a prisão preventiva de Taneski por 30 dias. EFE ib/wr/sc

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.