A polícia israelense anunciou nesta quarta-feira o desmantelamento de uma célula terrorista palestina em Jerusalén, acusada de ter matado dois guardas de fronteira, entre outros ataques.

Mohammed Halal Abu-Sneineh, de 21 anos, residente no distrito de Anata, é acusado de ter organizado a célula, e junto com outros dois suspeitos foi considerado culpado há 10 dias de "assassinato e tentativa de assassinato", segundo fontes policiais.

A acusação foi mantida em segredo pelo tribunal do distrito de Jeusalém a pedido da polícia e do serviço de segurança interna, o Shin Beth.

Além dos assassinatos dos dois agentes, cometidos em Jerusalém entre janeiro e julho deste ano, os supostos terroristas são suspeitos de ter ferido outros dois policiais e de ter preparado um atentado contra um oficial da polícia.

Outras quatro pessoas suspeitas de pertencer à célula também foram detidas e permanecem presas.

Desde o início de 2008, "250 residentes (palestinos) de Jerusalém Oriental foram detidos" por motivos relacionados a segurança, informou o chefe da polícia de Jerusalém, Aharon Franco.

Alguns foram presos por lançar pedras e coquetéis Molotov, outros por tráfico de armas, envolvimento ou preparação de atentados, informou o chefe policial.

O número de detenções em 2008 aumentou consideravelmente em relação a 2007, destacou Franco.

ms/ap

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.