Polícia investiga morte de franceses com 243 facadas em Londres

A polícia de Londres está investigando o assassinato de dois estudantes franceses, que foram encontrados mortos a facadas em um apartamento do sudeste da cidade na noite de domingo. Os estudantes de genética Laurent Bonomo e Gabriel Ferez, os dois de 23 anos, sofreram um total de 243 facadas na cabeça, pescoço e peito.

BBC Brasil |

O apartamento, no bairro de New Cross, foi incendiado em seguida.

Segundo o repórter da BBC Ben Ando, o corpo de Bonomo tinha 196 facadas, sendo cem apenas nas costas. Ferez foi esfaqueado 47 vezes.

O principal investigador do caso, Mick Duthie, afirmou que os ferimentos sofridos pelos dois estudantes eram horrendos e que ainda não se sabe a razão dos homicídios.

"A causa das mortes foram os múltiplos ferimentos na cabeça, pescoço e tronco. Os dois parecem ter sido amarrados durante este incidente. A extensão dos ferimentos é assustadora", afirmou.

"Todos o que estão trabalhando neste caso, inclusive eu, ficamos chocados pelo que vimos. Nunca vi ferimentos como estes em toda minha carreira."
Computador
Duthie afirmou que o apartamento dos estudantes foi arrombado seis dias antes do crime e um notebook tinha sido roubado.

Um homem branco teria sido visto fugindo do local.

Os serviços de emergência foram chamados no domingo à noite depois que vizinhos ouviram uma explosão. Ferez, que morava perto, estava visitando o amigo quando o ataque ocorreu.

O policial afirmou que uma das linhas de investigação tenta descobrir se o ataque foi um caso de erro de identidade.

"Não descobrimos nada na vida destes jovens que sugerisse que os dois estivessem envolvidos em qualquer crime, que tivessem qualquer coisa errada", afirmou.

"Ataque frenético"
Segundo a polícia, Bonomo e Ferez estudavam na região central da França e foram escolhidos para participarem de um projeto de pesquisa sobre DNA, durante três meses em Londres.

Eles estudavam numa universidade da capital britânica há dois meses.

"Não diria que este foi um ataque profissional. Diria que foi um ataque frenético, horrível. Imagino que levaria um tempo considerável para infligir estes ferimentos", acrescentou o policial.

O detetive da polícia londrina afirmou que nenhuma arma foi encontrada no local do crime.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG