Polícia identifica suposto autor de ataques na Noruega como 'islamofóbico'

Mensagens suas publicadas na internet 'sugerem que ele tem opiniões políticas voltadas para extrema direita'

EFE |

AFP/ Facebook
Imagem sem data tirada do Facebook mostra homem identificado como suspeito pelos ataques na Ilha de Utoya e em Oslo, Noruega
A polícia norueguesa identificou como um norueguês de 32 anos com "opiniões hostis ao Islã" o suposto autor do duplo atentado lançado na sexta-feira em Oslo e em uma ilha localizada a 40 quilômetros da capital, que deixou mais de 90 mortos .

Em uma busca em seu domicílio após os ataques, a polícia encontrou várias mensagens postadas na internet com conteúdo ultradireitista e anti-Islã, segundo declarações policiais à cadeia pública NRK. O chefe de polícia Sveinung Sponheim disse que mensagens suas publicadas na internet “sugerem que ele tem opiniões políticas voltadas para a extrema direita, anti-islâmicas”. “Mas ainda não sabemos se isso foi uma motivação para os eventos”, disse à emissora norueguesa NRK.

O suspeito, detido após o massacre na ilha e identificado pela imprensa local como Anders Behring Breivik, agiu sozinho, segundo as investigações policiais em curso.

Pouco se sabe sobre ele além do que foi publicado em sites de redes sociais como Facebook e Twitter, em contas que foram abertas apenas em 17 de julho. Na sua suposta página do Facebook, ele se descreve como um cristão e um conservador. A página não está mais disponível, mas afirmava que ele se interessava por musculação, maçonaria e no poder do indivíduo.

Testemunhas nas ilhas Utoya o descreveram como loiro, alto e vestido com uma roupa parecida com um uniforme da polícia e se identificou como tal para ter acesso ao local. A imagem no Facebook é de um homem loiro de olhos azuis.

O jornal norueguês Verdens Gang citou um amigo de Breivik dizendo que ele se voltou ao extremismo de direita quando tinha pouco menos de 30 anos de idade. O jornal diz também que ele participava de fóruns online expressando fortes opiniões nacionalistas.

Aparentemente ele não tinha treinamento militar específico, ou ficha criminal. Acredita-se que Breivik tenha crescido e estudado em Oslo. Já adulto, mudou para fora da cidade e criou a empresa Breivik Geofarm, uma companhia agrícola para o cultivo de vegetais.

A imprensa norueguesa diz que por meio da empresa ele teria conseguido comprar fertilizantes, um ingrediente na fabricação de bombas. Sua suposta conta do Twitter apresenta apenas uma mensagem, que cita o filósofo John Stuart Mill: “Uma pessoa com convicção tem a força equivalente a 100 mil que tenham interesses apenas.”

Em Utoya, centenas de jovens de entre 14 e 17 anos participavam de um acampamento da juventude social-democrata, o partido do primeiro-ministro, Jens Stoltenberg. O ataque na ilha ocorreu cerca de duas horas depois do atentado contra o complexo governamental em Oslo , que deixou ao menos sete mortos.

AP
Foto tirada pelo repórter criminal norueguês Vergard M. Aas mostra vítimas deitadas perto da costa na Ilha de Utoya, Noruega (22/07)
*Com BBC e EFE

    Leia tudo sobre: noruegaexplosãoosloutoyanoruega sob ataque

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG