A polícia de Dubai anunciou nesta quarta-feira que identificou 15 novos suspeitos do assassinato do líder do Hamas Mahmoud al-Mabhuh, achado morto em 20 de janeiro em um hotel do emirado.

Segundo a rede de TV "Al Arabiya", que citou um comunicado da polícia de Dubai, os novos supostos assassinos tinham passaportes de países como Irlanda, França, Reino Unido e Austrália.

Com o anúncio, subiu para 26 o número de pessoas identificadas pelas autoridades de Dubai que supostamente participaram da morte do líder do Hamas.

Suspeitas

Suspeita-se que Mahmoud Al-Mabhouh, um dos fundadores do braço armado do Hamas, tenha sido morto por agentes israelenses com identidades falsas, embora o país diga que não há provas de envolvimento.

Mabhouh foi encontrado morto em seu quarto de hotel no dia 20 de janeiro, tendo sido eletrocutado e sufocado. Seus assassinos teriam usado falsos passaportes britânicos, alemães e franceses, segundo a polícia de Dubai, que divulgou fotos de suspeitos, nenhum deles preso até agora.

Imagens divulgadas por Dubai identificam os suspeitos no assassinato de membro do Hamas
Imagens identificam os suspeitos no assassinato de membro do Hamas

Segundo as autoridades locais, o trabalho "foi executado por um time profissional, altamente habilitado para esse tipo de operação". De acordo com alguns relatos, Al-Mabhouh estaria em Dubai para comprar armamentos para o Hamas.

Segundo a polícia, dois suspeitos palestinos que teriam fugido para a Jordânia também estariam sendo questionados sobre o assassinato.

O atual ministro das Relações Exteriores israelense, Avigdor Lierberman, comentando as acusações de envolvimento do Mossad, o serviço secreto do país, disse que "Israel nunca responde, confirma ou nega".

Leia também:

Leia mais sobre Hamas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.