(atualiza com a transferência dos detidos ao apartamento para operação de busca) Paris, 21 mai (EFE).- A Polícia francesa iniciou hoje uma vistoria no apartamento de Bordeaux (sudoeste da França) onde foi detido, na noite da última terça-feira, o líder do grupo separatista basco ETA Javier López Peña, junto a outros três supostos integrantes do movimento, disseram à Efe fontes próximas.

López Peña, conhecido como "Thierry", e os outros três supostos integrantes da ETA detidos, Ainhoa Ozaeta Mendicute, Igor Suberbiola e Jon Salaberría, foram transferidos ao apartamento pouco antes das 11h local (6h no horário de Brasília) para presenciar a operação.

Os investigadores da Polícia vão verificar o apartamento em busca de pistas e outros indícios, completaram as fontes, que anteciparam que a vistoria será prolongada até tarde da noite.

A casa onde os integrantes do ETA realizavam uma reunião considerada importante estava sendo vigiada há muito tempo por agentes das forças de segurança da França e da Espanha.

O Governo francês ficou feliz pelo êxito da operação policial e ressaltou a cooperação franco-espanhola na luta antiterrorista.

"O êxito desta operação mostra mais uma vez a qualidade destacável e cotidiana da cooperação antiterrorista entre França e Espanha", assinalou o primeiro-ministro francês, François Fillon, em comunicado, ao prestar homenagem aos agentes que participaram da batida.

A ministra de Interior francesa, Michele Alliot-Marie, reiterou hoje que esta operação, que permitiu a detenção de quatro importantes supostos membros da ETA, foi possível graças às equipes franco-espanholas criadas em virtude do acordo assinado em janeiro passado com seu homólogo espanhol, Alfredo Pérez Rubalcaba.

Marie fazia referência ao tratado firmado em janeiro que criou uma equipe conjunta permanente de agentes dos serviços de informação para intensificar a luta contra a ETA, após o atentado efetuado pelo grupo no sudoeste da França em dezembro do ano passado, que causou a morte de dois guardas civis.

"Podemos felicitar as equipes que participaram desta detenção", acrescentou a ministra. EFE al/fh/gs

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.