Polícia francesa interroga ministro envolvido em escândalo

Conflito familiar entre milionária e filha se transformou em escândalo político-fiscal que envolve ministro do presidente francês

AFP |

Policiais interrogam nesta quinta-feira como testemunha o ministro do Trabalho francês, Eric Woerth, dentro da investigação sobre um suposto financiamento ilegal de seu partido pela multimilionária Liliane Bettencourt, principal acionista da L'Oréal.

O depoimento de Woerth, que acontece na sede do Ministério do Trabalho, começou no início da manhã. Seu advogado, Jean-Yves Le Borgne, não quis fazer comentários antes do início do interrogatório, mas anunciou que será realizada uma entrevista coletiva ao fim do depoimento.

A justiça investiga um suposto financiamento ilegal do partido de Woerth, a governamental UMP (a União por um Movimento Popular, do presidente Nicolas Sarkozy), depois que um mordomo de Bettencourt fizesse uma série de gravações clandestinas entre a multimilionária e pessoas próximas a ela nas quais o nome do ministro o Trabalho é mencionado.

Pelas declarações da ex-contadora de Bettencourt, Claire Thibout, Woerth teria recebido envelopes com 150 mil euros para financiar a campanha presidencial que alçou Sarkozy à chefia do Estado.

As autoridades querem esclarecer se Woerth intercedeu para que os gerentes da fortuna de Bettencourt contratassem a sua esposa em troca de favores políticos e para ter um suposto tratamento de graça em matéria fiscal.

Woerth, a quem Sarkozy encarregou da polêmica reforma do sistema previdenciário na França, é alvo de várias investigações em torno da figura de Bettencourt, em um escândalo que teve início por uma disputa familiar entre a octogenária e sua filha.

    Leia tudo sobre: FrançaNicolas Sarkozyeleiçõescorrupção

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG