Polícia estuda DNA de suicidas em investigação de ataques na Indonésia

Jacarta, 18 jul (EFE).- As forças de segurança indonésias centraram hoje as investigações dos atentados com bomba cometidos nesta sexta-feira em dois de hotéis Jacarta e que mataram nove pessoas na análise do DNA dos restos dos dois suicidas explodiram os artefatos, informou a Polícia.

EFE |

Os agentes também fazem averiguações no quarto 1808 do hotel JW Marriott, no qual foi encontrado material explosivo e uma terceira bomba pronta para ser detonada, mas que foi desativada a tempo no "centro de operações" do último ataque islâmico na Indonésia.

Segundo a Polícia, tanto a bomba que não explodiu como as duas que foram detonadas tinham pregos, porcas e parafusos para aumentar o efeito, e são "idênticas" a outras utilizadas anteriormente pela Jemaah Islamiya, o braço da Al Qaeda no Sudeste Asiático.

Por enquanto, nenhum grupo terrorista assumiu a autoria do atentado, e o Governo não apontou ainda supostos culpados.

Analistas afirmam que uma facção de radicais dissidente da Jemaah Islamiya e liderada pelo malaio Noordin Mohammed Top teria cometido os ataques.

Top, a quem as forças de segurança consideram um especialista na fabricação de bombas, é acusado de participar, entre outros, dos atentados de Bali de 2002, o pior ataque do grupo radical e que deixou 202 mortos.

O atentado ocorreu na manhã de sexta-feira, quando duas bombas explodiram quase simultaneamente nos hotéis Ritz-Carlton e JW Marriott do centro financeiro da capital indonésia, deixando pelo menos nove mortos e 50 feridos.

Por enquanto, entre os mortos já foram confirmados quatro estrangeiros -dois australianos, um neozelandês e um cingapuriano-, e muitos outros estão entre os feridos. EFE jpm/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG