Polícia dominicana e Minustah analisam segurança no Haiti

Santo Domingo, 13 fev (EFE).- O chefe da Polícia dominicana, Rafael Guillermo Guzmán Fermín, e o comissário de Polícia da Missão de Estabilização das Nações Unidas no Haiti (Minustah), o argentino Gerardo Chaumont, analisaram hoje a segurança cidadã no país, cuja situação está sob controle.

EFE |

Guzmán Fermín anunciou na reunião que aumentará a cooperação com o país vizinho no que diz respeito à troca de informações, treinamento, facilidades de instalações, entre outras, informa um comunicado da Polícia dominicana.

Chaumont, por sua vez, ressaltou que as autoridades trabalham arduamente para reforçar a segurança no Haiti, mas esclareceu que é o Governo haitiano que têm a maior responsabilidade nesse sentido.

No entanto, assegurou que a segurança nessa nação, cuja capital foi devastada pelo terremoto de 12 de janeiro passado, "está sob controle", segundo as declarações oferecidas pela Polícia Nacional.

Chaumont, que chegou ao Haiti três dias depois do terremoto, reconheceu que ainda são registrados saques e pilhagens, entre outros crimes. No entanto, ele ressaltou que "de nenhuma maneira esses delitos afetam a segurança integral da população".

Além disso, o comissário destacou o papel da Polícia dominicana para preservar a segurança no Haiti.

"Creio que a cooperação entre corpos policiais com fronteiras comuns não é exclusividade do Haiti e a República Dominicana, mas é uma condição necessária na interação", acrescentou.

Para Chaumont, "a segurança do Haiti depende da situação de Santo Domingo e vice-versa".

Nesse sentido, ele acrescentou que uma situação de desastre aumenta os problemas de segurança cidadã e, por isso, é necessário reforçar as capacidades de ambos os sistemas de segurança. EFE mf/sa

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG