Polícia do Zimbábue invade sede do maior partido da oposição

Por MacDonald Dzirutwe HARARE (Reuters) - Uma tropa policiais de choque invadiu a sede do principal partido de oposição do Zimbábue na sexta-feira, detendo várias pessoas. É o maior ato de repressão sobre o MDC desde as eleições do mês passado, disseram autoridades.

Reuters |

O Movimento pela Mudança Democrática (MDC) diz ter derrotado o presidente Robert Mugabe nas eleições de 29 de março, cujos resultados ainda não foram divulgados, além de acabar com o domínio de 28 anos do partido de Mugabe no parlamento.

O atraso na divulgação dos resultados e a recontagem parcial de votos parlamentares levaram a comunidade internacional a pressionar Mugabe, 84, despertando temores de um derramamento de sangue no país que já sofre com o colapso econômico.

Dezenas de policiais detiveram por volta de cem simpatizantes do MDC, que foram colocados em um ônibus policial lotado e depois levados embora, disse uma testemunha à Reuters.

Nelson Chamisa, porta-voz do MDC, disse que, entre os detidos, estavam pessoas que haviam ido à sede do partido depois de serem feridas durante uma 'campanha pós-eleitoral de violência', empreendida, segundo o partido, pelos seguidores de Mugabe.

'Eles levaram todo mundo que estava no prédio, inclusive aqueles que só estavam ali em busca de tratamento médico. Eles estão tentando destruir as provas de sua brutalidade', disse Chamisa à Reuters. Segundo ele, a polícia também levou computadores.

A polícia disse que o ataque era destinado às pessoas que procuravam refúgio na sede do partido, depois de ter cometido 'crimes' fora de Harare.

'Alguns deles não trabalham ali de jeito nenhum. Estamos ocupados, fazendo a triagem. Estamos investigando alguns dos casos e os que não cometeram nenhum crime serão soltos', disse o porta-voz da polícia, Wayne Bvudzijena.

Mugabe, herói da independência do país, acusa a oposição de conspirar junto aos críticos ocidentais para derrubá-lo, mas os países vizinhos também o têm pressionado quanto à questão eleitoral.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG