HARARE - A Polícia do Zimbábue devolveu o passaporte do líder opositor Morgan Tsvangirai, documento que foi confiscado no momento em que ele pretendia viajar para a África do Sul para participar como convidado de uma cúpula regional, confirmaram à Agência Efe fontes de seu partido, o Movimento para a Mudança Democrática (MDC).

Tsvangirai e outros dois membros do MDC foram detidos nesta quinta-feira e seus passaportes retidos no aeroporto de Harare quando pretendiam viajar para Johanesburgo. Apesar de terem ficado em liberdade pouco depois, a polícia não lhes devolveu imediatamente seus documentos.

Os três fazem parte de uma delegação da oposição convidada à cúpula da Comunidade para o Desenvolvimento da África Meridional (SADC), que será realizada no próximo fim de semana na capital financeira da África do Sul e na qual assumirá a Presidência do grupo regional o governante sul-africano Thabo Mbeki.

Mbeki foi encarregado pela SADC de mediar nas negociações entre o governo e a oposição do Zimbábue para conseguir um acordo que permita formar um governo de união nacional neste país, imerso em uma profunda crise política e econômica.

O professor Eliphas Mukonoweshuro, assessor do MDC e um dos membros do grupo convidado à reunião da SADC - o terceiro é o secretário-geral do partido, Tendai Biti - confirmou à Efe que a viagem será realizada.

"Temos de novo nossos passaportes e tudo está pronto então para que participemos da cúpula da SADC", declarou Mukonoweshuro.

Os membros do MDC disseram que têm esperanças de que a cúpula regional conseguirá acabar com a estagnação em que se encontram as negociações mediadas por Mbeki.

"Tenho esperanças de que as conversas serão retomadas e tudo ficará determinado nesta cúpula da SADC", declarou Tsvangirai.

Leia mais sobre Zimbábue

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.