Polícia do Irã detém 4 por assassinato de procurador

Teerã, 19 jan (EFE).- A Polícia iraniana deteve quatro pessoas sob suspeita de envolvimento com o assassinato na segunda-feira à noite de um procurador na fronteira com a Turquia, o que, segundo as autoridades, poderia ser obra de rebeldes curdos.

EFE |

O procurador Vali Haji-Qolizadeh foi baleado às 20h (14h30 de Brasília) por dois homens em frente de casa, na cidade de Khoy, situada na província iraniana do Azerbaijão Oeste.

"A investigação começou. Até o momento, foram detidas quatro pessoas", disse o governador da cidade, Ibrahim Mohammadlu, citado hoje pela agência de notícias local "Mehr".

As investigações apontam para o movimento rebelde curdo iraniano Pejak (Partido da Livre Vida no Curdistão), grupo proveniente do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK) turco, considerado terrorista pelo Irã.

Aparentemente, este grupo tinha ameaçado o procurador nos últimos dias, revelou o chefe do Poder Judiciário na província, Mohammed Ali Moussavi.

"Até o momento, nenhum grupo assumiu a responsabilidade deste ato terrorista, mas, em vista dos planos e das ameaças do Pejak, é muito provável que esta formação esteja por trás do atentado", disse Moussavi, cujas declarações são reproduzidas pela agência de notícias "Isna". EFE jm/an

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG