Polícia dispersa duramente protestos de opositores a Ahmadinejad

Teerã, 18 set (EFE).- A Polícia antidistúrbios iraniana, com apoio de milicianos islâmicos Basij, reprimiu hoje duramente uma manifestação de opositores, e vários dirigentes reformistas foram agredidos por partidários do presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad.

EFE |

Dezenas de milhares de opositores tinham ido às ruas, aproveitando o protesto anual contra Israel, apesar das advertências do Governo, o que gerou enfrentamentos com gás lacrimogêneo, pedras e garrafas no centro de Teerã.

Nos distúrbios, segundo relataram testemunhas à Agência Efe, o ex-presidente iraniano Mohamad Khatami foi agredido por milicianos Basij.

Segundo a agência estatal iraniana "Irna", o veículo onde o líder opositor Mir Hussein Moussavi estava foi atingido por pedras e outros objetos contundentes lançados pelos partidários de Ahmadinejad.

Os simpatizantes do presidente iraniano, segundo a própria agência iraniana, também agrediram os dirigentes reformistas, Mehdi Karroubi e Khatami, aos quais insultaram e tacharam de "hipócritas", o que os obrigou a fugir do lugar.

As dezenas de milhares de pessoas que aproveitaram a convocação anual de protesto contra Israel e a favor dos palestinos esbarraram na dura repressão policial, que acabou em uma batalha campal.

Os manifestantes com os distintivos verdes do movimento reformista foram dispersados com gás lacrimogêneo e cassetetes, para impedir que continuassem os protestos. Segundo alguns manifestantes, várias pessoas ficaram feridas.

A contundente ação policial com apoio dos milicianos islâmicos Basij impediu que os manifestantes continuassem o protesto em torno da Universidade de Teerã, aonde tinham anunciado que iriam antes do sermão da sexta-feira.

As ruas adjacentes e os acessos ao local universitário permaneciam fortemente vigiados pela Polícia, que tinha colocado vários controles e suportes que impediam a passagem dos manifestantes, identificados nessas barreiras como membros da oposição através da cor verde de suas insígnias.

Apenas os Basij e os partidários de Ahmadinejad podiam passar pelos acessos à universidade, cujo entorno permanecia tranquilo pouco antes da oração da sexta-feira, com o sermão de hoje do aiatolá Ahmad Khatami.

Desde o início do dia e com bandeiras e símbolos reformistas tingidos do verde usado durante a passada campanha eleitoral pelo líder opositor Mir Hussein Moussavi, os manifestantes gritaram palavras de ordem contra o Governo, enquanto faziam o símbolo da vitória.

Após alguns esforços de enfrentamentos entre partidários de Ahmadinejad que tentaram, sem sucesso, impedir a passagem dos simpatizantes de Moussavi, os policiais antidistúrbios começaram a usar gás lacrimogêneo para dispersar os concentrados.

A última sexta-feira do mês do Ramadã é marcado no calendário iraniano como o Dia de Jerusalém, e todos os anos os iranianos participam de uma manifestação de apoio aos palestinos e contra Israel, antes de ir ao sermão. EFE msh/an

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG