Polícia detém cerca de mil manifestantes em Moscou por distúrbios

Detenções foram feitas para prevenir conflitos étnicos que atingem país desde morte de torcedor de futebol no fim de semana

iG São Paulo |

A polícia russa deteve nesta quarta-feira em Moscou cerca de mil ultranacionalistas e caucasianos, alguns deles armados com pistolas e facas, para prevenir mais enfrentamentos entre as duas partes, que estão em conflito após graves tumultos do final de semana junto ao Kremlin depois da morte de um torcedor de futebol.

"Alguns levavam pistolas, facas, punhais, armas de eletrochoque, cassetetes telescópicas e aerossóis de autodefesa", disse Viktor Biryukov, porta-voz da polícia de Moscou, à agência "Interfax".

A polícia mobilizou 3 mil homens na capital russa. "Cerca de 3 mil policiais estão posicionados na cidade para garantir a manutenção da ordem", declarou Biryukov, enfatizando que a situação "estava sob controle".

Ele disse que um terço dos policiais estavam concentrados no bairro da estação de trem Kievsky, no centro da cidade, pois sites transmitiram desde o início da semana convocações para que pessoas originárias do Cáucaso, região majoritariamente muçulmana do sul da Rússia, se reunissem nesse local na tarde desta quarta-feira. A maior parte da prisões foi nessa região, disse Biryukov.

Há informações de que 300 jovens se reuniram ao redor de um shopping perto da estação, forçando seu fechamento, enquanto outros tentaram bloquear uma estrada próxima.

A morte de um torcedor do Moscow Spartak, supostamente em uma briga com caucasianos do norte, desencadeou tumultos e ataques em que minorias étnicas foram alvo. Além das prisões em Moscou, há informações de que dezenas de outras pessoas foram detidas em outras cidades russas.

A polícia de São Petersburgo prendeu 60, enquanto outras 100 pessoas foram detidas em Samara, de acordo com a agência de notícias Interfax.

No sábado, milhares entraram em choque com a polícia em frente ao Kremlin em protesto pela morte do torcedor. A polícia prometeu completar uma investigação para determinar as causas do incidente.

Enquanto as minorias étnicas reclamam de sofrer contínua discriminação na Rússia, alguns russos étnicos acusam as autoridades de tentar subestimar os crimes de ódio contra russos.

Reuters
Policial conversa com homem durante operação para evitar tumultos étnicos em Moscou
*Com BBC, EFE e AFP

    Leia tudo sobre: rússiaconflitos étnicosmoscoukremlin

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG