Polícia de Hong Kong busca em lixão corpo de bebê desaparecido

O governo de Hong Kong não sabe explicar onde está o corpo de um bebê que morreu com poucas horas de vida no dia 15 de dezembro, e começou uma extensa investigação depois de ouvir críticas da opinião pública. Nesta quinta-feira, a polícia iniciou buscas no lixão de Tseung Kwan, informou o jornal local South China Morning Post.

BBC Brasil |

O ministro da Saúde, York Chow, pediu desculpas pelo erro e disse que é "difícil de acreditar" que isso tenha acontecido.

Ele ordenou que o hospital tome providências quanto aos "funcionários incompetentes" associados com o caso.

York Chow criticou o fato de o hospital levar três dias para reportar o sumiço às autoridades superiores e ter permitido inicialmente que o responsável pelo necrotério continuasse a trabalhar sem receber nenhuma reprimenda por escrito.

Prematuro
De acordo com relatos oficiais, o bebê do sexo masculino nasceu prematuro, às 35 semanas de gestação, no hospital Pamela Youde Nethersole Eastern, e não sobreviveu mais dos que algumas horas.

Após o falecimento, o corpo do bebê foi levado ao necrotério do hospital, mas porque as câmaras frigoríficas estavam lotadas, ele foi colocado no mesmo compartimento onde estava o corpo de um homem adulto obeso.

A última vez que o bebê foi visto foi no dia 19, quando o corpo do adulto foi encaminhado para um crematório.

A ausência da criança foi notada no dia 2 de janeiro, durante a contagem de corpos, mas só foi reportada às autoridades supervisoras no dia 5.

Funcionários do crematório disseram não ter visto nenhum corpo de bebê ou saco plástico mortuário junto aos do adulto que foi incinerado no dia 19.

Repercussão
A opinião pública está chocada com o incidente e a imprensa local tem dado grande repercussão ao caso.

Uma ex-enfermeira do hospital afirmou em um programa de rádio que é comum na instituição embalar os corpos de recém-nascidos em sacos plásticos quando não há sacos mortuários em estoque.

"Eles colocam (os corpos) dentro de um saco plástico preto e tratam como se fosse lixo. Não acredito que os mortos eram tratados com respeito", disse.

Os pais do bebê estão traumatizados e disseram que sofrem duplamente pela perda do filho deles. Eles são cristãos devotos e junto com amigos estão rezando para que o corpo seja encontrado.

O legislador democrata Andrew Cheng Kar-foo pediu que o governo considere criar um serviço de ombudsman para o sistema de saúde de Hong Kong, e inúmeros editoriais criticaram a incompetência das autoridades.

    Leia tudo sobre: hong kong

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG