Polícia controla sequestro de avião no México

Por Anahí Rama e Eliana Aponte CIDADE DO MÉXICO (Reuters) - Um avião da companhia Aeroméxico foi sequestrado nesta quarta-feira com mais de 100 pessoas a bordo, mas o incidente terminou rapidamente e em segurança. Policiais entraram na aeronave e prenderam nove suspeitos, pouco depois de os passageiros serem libertados ilesos.

Reuters |

Canais de TV transmitiram ao vivo o momento em que o avião foi cercado por policiais com armas pesadas, caminhonetes e até helicópteros.

As forças de segurança entraram no Boeing 737 pouco depois de os passageiros descerem para a pista e saíram escoltando cinco pessoas aparentemente algemadas dentro de caminhões policiais.

O voo 576, com 104 passageiros a bordo, foi sequestrado no balneário de Cancun por pessoas que aparentemente exigiam falar com o presidente mexicano, Felipe Calderón. Segundo a imprensa local, eles ameaçavam explodir o aparelho.Mas não havia explosivos a bordo, e todos os passageiros ficaram ilesos.

"Não havia bomba (...) conseguimos retirar todos os passageiros a salvo", disse o secretário de Comunicações e Transportes do governo, Juan Molinar, à rede Televisa. As emissoras de televisão, porém, mostraram um policial com equipamentos antibomba revistando uma maleta.

Um funcionário norte-americano, que pediu para não ser identificado, disse em Washington que, segundo informações preliminares, oito pessoas foram presas por autoridades mexicanas por causa do sequestro, e que no avião havia 112 pessoas a bordo, incluindo mexicanos, norte-americanos e franceses.

Muitos passageiros só se interaram da situação após o pouso da aeronave. Depois, desceram calmamente do avião, inclusive com a bagagem de mão, e entraram em vários ônibus.

"Realmente não soubemos o que aconteceu", disse a passageira Rocío García, entrevistada pela rede Televisa, esclarecendo que foram avisados da situação pelos alto-falantes do avião.

De acordo com as autoridades, os sequestradores não conseguiram entrar na cabine dos pilotos, e todos os passageiros mantiveram a calma.

O aeroporto da Cidade do México continuou operando normalmente, e o próprio Calderón decolou logo depois de a situação ser controlada para uma visita ao sudeste do país.

(Reportagem adicional de Adriana Barrera, Miguel Angel Gutiérrez, Verónica Gómez Sparrowe e Carlos Pacheco no México e Jeremy Pelofsky em Washington)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG