Polícia chinesa prende quadrilha que vendia crianças por R$ 300

Uma quadrilha que seqüestrava e vendia crianças dentro da China foi desmantelada depois de uma extensa investigação, informou nesta quarta-feira a imprensa estatal do país. Crianças com idade entre dois e três anos eram capturadas por motoqueiros enquanto brincavam ou dormiam na cidade de Yueyang e eram levadas a outras regiões para serem vendidas.

BBC Brasil |

O "preço de compra" de uma criança variava entre 860 e 26 mil yuan (de R$292 a R$8,830) e a maioria das "vendas" foram feitas a famílias nas províncias Yunan, Sichuan e Fujian.

Os compradores eram muitas vezes famílias que não conseguiram ter bebês do sexo masculino, informou o jornal Beijing News.

De acordo com o diário, uma das crianças raptadas chegou a ser abandonada pelos bandidos depois que a gangue percebeu que se tratava de uma menina.

Cinco crianças foram libertadas e 13 suspeitos foram presos.

A imprensa estatal não divulgou quantas crianças foram seqüestradas e vendidas no total, mas as autoridades acreditam que a quadrilha operava pelo menos desde setembro passado.

Filho único

Casos como este já ocorreram anteriormente na China por causa da política do filho único.

Pela tradição do país é dever do filho homem sustentar os pais na terceira idade e inúmeros casais humildes não querem ter meninas porque isso significa uma vida sem aposentadoria.

Em diversas áreas do país as estatísticas já mostram desequilíbrio entre a parcela de mulheres e homens na população, o que também incentiva outros tipos de tráfico humano como o seqüestro e venda de esposas.

O rapto e comércio de seres humanos é um tipo de crime muito presente na China, tanto que o governo lançou no ano passado uma campanha para acabar com o problema depois que foi descoberto que trabalhadores e crianças eram escravizados em olarias e minas na província de Shanxi.

Em abril do ano passado jornais da China também reportaram casos de menores raptados no sudoeste do país que foram forçados a trabalhar em fábricas na província de Guangdong.

Leia mais sobre China

    Leia tudo sobre: china

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG