NOVA YORK - A polícia de Nova York continuava em busca nesta segunda-feira no rio Hudson dos últimos dois corpos das vítimas da colisão aérea entre um pequeno avião e um helicóptero que transportava cinco turistas italianos, e que provocou a morte das nove pessoas a bordos dos aparelhos.

"A prioridade hoje é a operação de recuperação dos corpos das vítimas. Sete das vítimas foram recuparadas e duas ainda devem ser encontradas", afirmou Debbie Hersman, um dos investigadores da agência americana para segurança nos transporte (NTSB).

A NTSB está encarregada de investigar as circunstâncias nas quais ocorreu o acidente.

Fuselagem do helicóptero é retirada do Rio Hudson / Reuters

O helicóptero Eurocopter AS350 transportava cinco turistas italianos e o piloto e dois passageiros, incluindo uma criança, mais o piloto estavam a bordo do monomotor Piper PA32 que se chocaram no sábado passado.

A colisão ocorreu por volta do meio-dia (13h de Brasília) em um dia quente de verão, com as ruas próximas à margem do rio lotadas de moradores e turistas.

Imediatamente após o acidente, barcos de salvamento chegaram ao local. Entretanto, logo ficou claro que tinham muito pouco a fazer.

O avião tinha decolado do aeroporto Teterboro, em Nova Jersey, e o helicóptero pertencia a uma companhia que oferece serviços a turistas. A colisão ocorreu em um corredor aéreo muito usado por aviões comerciais, particulares e helicópteros de turismo.

Em janeiro, um Airbus operado pela US Airways perdeu força sobre Nova York, mas o piloto fez uma aterrissagem de emergência bem-sucedida nas águas do Hudson, evitando a perda de vidas.

O acidente foi causado pela colisão do avião com um grupo de gansos selvagens, gerando a perda de ambos os motores.

Imagens do acidente

Veja no vídeo abaixo fotos do momento da colisão divulgadas pelo canal Fox News.

Leia mais sobre Nova York

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.