Polêmicas operações americanas em base militar no Equador chegam ao fim

Quito, 17 jul (EFE).- O último voo antinarcóticos realizado hoje pelos Estados Unidos da base de operações avançadas (FOL, na sigla em inglês) em Manta, no Equador, marca o fim de sua polêmica atuação no país.

EFE |

Após uma década de operações, a FOL será fechada antecipadamente, em cumprimento com a nova Constituição do Equador, que proíbe bases militares estrangeiras no território.

Martha Youth, chefe de imprensa da Embaixada, disse à agência Efe que o voo de hoje marcará sua retirada, para deixar as instalações nas mãos da Força Aérea Equatoriana (FAE), prevista para o dia 18 de setembro.

A presença americana em Manta teve mais opositores que defensores, pois uma série de denúncias foi apresentada contra as operações, entre as quais estão sua suposta participação no afundamento de navios com migrantes, segundo Marcos Martínez, presidente da Comissão de Assuntos Internacionais e de Segurança Pública da Comissão Legislativa.

O legislador disse à Efe que pediu ao presidente do Equador, Rafael Correa, que formasse uma comissão para investigar denúncias de violação de direitos humanos por soldados americanos.

Martínez lembrou que o acordo de facilidades determina como funções da FOL a "detecção, monitoração, rastreamento e controle de aeronaves em atividades ilegais de narcotráfico" e proíbe as interdições marítimas.

Nesse sentido, e baseado nas investigações em Manta e em dados da Procuradoria, indicou que "o acordo foi violado, pois tivemos interdições marítimas em águas territoriais equatorianas".

Martínez disse saber que a base no Equador contribuiu para a captura de "somente 80 toneladas em 10 anos" e isso em interdições marítimas, o que demonstra, além disso, um "resultado pobre".

Embora ainda estejam à espera de informações oficiais sobre os resultados das operações aéreas da FOL, o legislador duvidou que existam dados sobre na descoberta e captura de drogas, por isso, segundo sua opinião, "a FOL fracassou no propósito do acordo".

Segundo a Embaixada dos EUA, a FOL de Manta fez parte de uma cooperação internacional, que inclui uma dúzia de países, embora não tenha fornecido dados concretos sobre resultados da base no Equador.

Neste trabalho conjunto, com cerca de 5 mil voos de Manta, 1.758 toneladas de cocaína foram encontradas, que teriam um valor de aproximadamente US$ 35,1 bilhões se fossem comercializados e contribuiu para 3.011 detenções, desde 2000.

Recentemente, o ministro equatoriano de Defesa, Javier Ponce, disse que a base de Manta "é um episódio que tem algumas sombras em nosso país, que foi entregue sem benefícios" e que "o Equador nunca teve um controle direto sobre as informação geradas nas ações da base".

Afirmou ainda que os americanos não forneceram informação aos representantes equatorianos nos voos da base, já que os EUA não reconheciam a soberania de Quito além das 12 milhas.

"Não havia participação nos voos e simplesmente recebíamos a informação filtrada pelos EUA", explicou.

Domingo Paredes, diretor do Conselho Nacional de Controle de Substâncias Entorpecentes e Psicotrópicas do Equador, criticou o fato de que seu país não tenha obtido benefícios tecnológicos após a década de operações da FOL e descartou efeitos negativos de sua saída.

"Ao contrário, achamos que vamos construir melhores espaços de inteligência e informação, tanto em nível sul-americano, como latino-americano e dentro da Comunidade Andina (CAN)", disse à Efe, ao destacar o esforço de seu Governo para nacionalizar a política antidrogas.

Paredes lamentou que "esta avanço dos EUA também tenha servido para o controle das migrações", enquanto que, para Martínez, é uma "ingenuidade" acreditar que a FOL tinha somente o objetivo de controlar o narcotráfico.

"A base estava vinculada a uma visão geopolítica, cujo propósito fundamental era nos envolver na guerra com a Colômbia", disse.

Grupos de direitos humanos denunciaram que a FOL também foi usada para apoiar o Plano Colômbia, que combate o narcotráfico e a guerrilha do país. EFE sm/pd

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG