Pobreza extrema preocupa 94% dos brasileiros, diz pesquisa

A pobreza extrema no mundo é considerada um problema muito grave para 71% das pessoas em 23 países do mundo, segundo um levantamento encomendado pelo Serviço Mundial da BBC. No Brasil, 94% das pessoas ouvidas afirmaram que a pobreza no mundo é um problema muito grave atualmente.

BBC Brasil |

O levantamento, que ouviu mais de 25 mil pessoas nesses 23 países, indicou a pobreza extrema no topo das preocupações entre uma lista de 13 problemas que afetam o mundo atualmente.

Os problemas ambientais e com poluição ficaram em segundo lugar entre as questões vistas pelos entrevistados como os mais graves atualmente no mundo, com 64%. No Brasil, 90% afirmaram ver esses problemas como muito graves.

Em terceiro lugar na lista está o aumento no custo dos alimentos e da energia, considerado muito grave por 63% dos entrevistados. No Brasil, 77% disseram ver esse problema como muito grave, mas a questão é apenas considerada a oitava mais grave entre os brasileiros.

Pesquisa espontânea
Quando questionados sem a apresentação de uma lista prévia de problemas, 26% dos entrevistados nos 23 países disseram ver os problemas econômicos como os mais sérios enfrentados hoje pelo mundo.

Guerra e terrorismo foi o segundo problema mais citado pelos entrevistados na pesquisa espontânea, com 10%, seguido de desemprego (9%) e meio ambiente (6%).

A pesquisa procurou identificar ainda os problemas mundiais mais comentados pelas pessoas nesses 23 países.

A questão do aumento nos preços dos alimentos e da energia foi citada por 30% dos entrevistados, seguida de perto pela questão da pobreza extrema e da fome (29%), a disseminação de doenças (29%) e o estado da economia global (28%).

Brasileiros
Os índices de respostas positivas entre os brasileiros na pesquisa direcionada, que perguntou se as pessoas consideravam graves cada um dos problemas apresentados, foram consideravelmente maiores que a média.

Os brasileiros aparecem entre as três nacionalidades mais preocupadas em 8 dos 13 problemas apresentados.

Em nove deles, a porcentagem de brasileiros que disseram vê-los como muito graves ultrapassa os 75%.

Para Jeremy Nye, chefe do departamento da BBC responsável pela pesquisa, a comparação entre os resultados de cada item em cada país faz mais sentido do que o cruzamento de dados entre os países, por conta das diferenças culturais que impactam no resultado da pesquisa.

Segundo ele, essas diferenças levam algumas pessoas a dar respostas mais enfáticas do que outras.

"Alguém poderia pensar que os chineses pesquisados não se preocupam com as mudanças climáticas, porque a China é apenas o 15º país no ranking dos 23 países neste tópico, mas eles colocam as mudanças climáticas como o segundo maior problema, atrás apenas do meio ambiente, o que é uma poderosa indicação de suas preocupações", explica Nye, acrescentando que a mesma característica pode ser observada entre os indianos.

Segundo ele, "no outro extremo parece haver algo sobre a personalidade latina, especialmente entre os brasileiros, que os encoraja a expressar suas preocupações como graves e numerosas".

Ele usa a questão do terrorismo como exemplo dessas diferenças. Apesar de no Brasil 83% dos entrevistados terem dito ver o problema como muito grave, ele foi apenas o sétimo na lista de preocupações dos brasileiros.

No outro lado, entre os indianos, o problema é considerado muito grave por 57%, mas está no topo da lista de preocupações no país.

Mudanças de percepção
A pesquisa, realizada entre julho e outubro do ano passado, ouviu 25.128 pessoas em Alemanha, Austrália, Brasil, Canadá, Chile, China, Costa Rica, Egito, Espanha, Estados Unidos, Filipinas, França, Grã-Bretanha, Índia, Indonésia, Japão, México, Nigéria, Paquistão, Panamá, Quênia, Rússia e Turquia.

O objetivo da pesquisa, que deverá ser repetida anualmente a partir deste ano, é verificar as mudanças nas percepções globais dos problemas que mais afetam o mundo.

Os 13 problemas apresentados na pesquisa direcionada são guerra e conflito armado, violações de direitos dos trabalhadores, migrações transnacionais, terrorismo, estado da economia global, disseminação de doenças, aumento do custo de alimentos e de energia, fundamentalismo religioso, poder das companhias globais, abusos aos direitos humanos, pobreza extrema, meio ambiente e poluição e mudanças climáticas.

Apenas quatro desses problemas foram apontados como muito graves por menos da metade dos entrevistados. A migração transnacional foi considerada um problema grave por 28%, o fundamentalismo religioso por 34%, o poder das companhias globais por 36%, e violações de direitos dos trabalhadores por 48%.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG