WASHINGTON- A aspirina está entre os remédios mais usados entre as pessoas e, aparentemente, também tem sua eficácia entre as plantas.

Acordo Ortográfico

Cientistas do Centro Nacional de Pesquisa Atmosférica descobriram que, quando em situações de stress, as plantas produzem um químico similar à aspirina que pode ser detectado no ar em torno delas.

Os pesquisadores especulam que o químico seja uma resposta do sistema imunológico que ajuda a proteger as plantas.

De acordo com os cientistas, as descobertas mostram que fazendeiros e estudiosos podem começar a monitorar as plantas para obter sinais precoces de doença, infecção e outros tipos de stress.

Atualmente não se sabe que um ecossistema está doente até que existam sinais visíveis, como a morte de folhas.

"Ao contrário dos humanos, que tomam aspirinas para suprimir a febre, as plantas têm a habilidade de produzir seus próprios químicos similares à aspirina, gerando a formação de proteínas que melhoram sua defesa bioquímica e reduzindo os danos", disse o líder da pesquisa Thomas Karl.

"Nossos estudos mostram que quantidades significativas de químicos podem ser detectadas na atmosfera quando as plantas reagem à seca, temperaturas fora do normal ou outros tipos de stress".

Ainda que os pesquisadores saibam que as plantas de laboratório produzem uma forma de aspirina, essa é a primeira vez que percebem isso numa floresta.

A nova descoberta foi anunciada nesta quinta-feira pelo CNPA em Boulder, Colorado, e publicada no jornal Biogeosciences.

Leia mais sobre plantas

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.