Planeta gigante vai ser destruído pela sua estrela, dizem astrônomos

Um planeta fora do Sistema Solar está proporcionando uma oportunidade única para astrônomos observarem como ¿morre¿ um corpo celeste. O planeta WASP-12b, que fica na constelação de Auriga, está gradativamente sendo sugado pela estrela em torno da qual orbita (chamada de WASP-12, que fica a 867 anos-luz da Terra), e o fim não está longe.

iG São Paulo |

Descoberto em 2008, o planeta é extremamente quente (cerca de 2500°C), e tem 1,5 vezes a massa de Júpiter e tem quase o dobro de seu tamanho ¿ como seu irmão do Sistema Solar, também é composto por gases. Os cientistas sempre tentaram entender o que causava as altas temperaturas e o tamanho do WASP-12b, e um grupo de astrônomos das universidades da Califórnia e de Beijing descobriram que a chave de tudo está na curta distância entre o planeta e sua estrela: apenas 1,6 milhões de quilômetros, o que faz com que seu ano (o tempo que demora para dar uma volta completa em torno do astro) seja de apenas 26 horas.


Representação artística do WASP-12b: perto demais do seu sol (Imagem/ESA)

O que os astrônomos descobriram agora, e publicaram esta semana na revista científica Nature, A força gravitacional dos dois, por estarem tão próximos, causa um fenômeno parecido com uma maré intensa. Se na Terra a maré faz com que os oceanos apenas avancem e se retraiam alguns metros,  no WASP-12b ela tem dois efeitos. De um lado, ela causa seu tamanho exagerado (já que a força da gravidade causa fricções que fazem com que os gases se expandam) e de outro, ela faz com que a estrela sugue gases da sua atmosfera, na razão de 6 bilhões de toneladas por segundo. A previsão é que o planeta desapareça em 10 milhões de anos. Parece muito tempo, mas para a Astronomia é uma fração de segundo. Este planeta vai viver apenas 0,2% do tempo de existência da Terra até agora, compara Shu-lin Li, dos Observatórios Nacionais Astronômicos da China, que liderou o estudo.

Leia mais sobre: Planeta extrassolar

    Leia tudo sobre: astronomiaespaçoplaneta extrassolar

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG