Placa de gelo da Antártida cairá se temperatura subir 5 graus, diz estudo

(embargada até as 15h desta quarta-feira em Brasília) Londres, 18 mar (EFE).- A gigantesca placa de gelo da parte oeste da Antártida (WAIS, em inglês) desabará caso a temperatura do oceano aumente em 5 graus Celsius, segundo um estudo publicado hoje na revista científica britânica Nature.

EFE |

Os modelos de informática utilizados para fazer o cálculo comprovaram que um colapso destas características teria consequências "catastróficas" sem precedentes em uma escala de tempo geológica curta, ou seja, de milhões de anos.

Os professores David Pollard, da Pennsylvania State University, e Robert DeConto, da Universidade de Massachusetts, Estados Unidos, disseram que a WAIS já está em uma situação muito instável e que qualquer mudança de temperatura, por menor que seja, pode causar "uma rápida desintegração e, inclusive, seu colapso".

Pollard e DeConto reconheceram, no entanto, suas limitações para prever qualquer ruptura parcial ou total da placa, ao não conhecer a fundo as variações experimentadas no passado e os mecanismos subjacentes que levaram a desmoronamentos anteriores.

Para a comparação da situação atual com episódios prévios que ocorreram ao longo da história do planeta, os cientistas se basearam nos dados fornecidos pelo estudo dos isótopos procedentes dos sedimentos do núcleo da placa a grande profundidade.

Esses detritos indicam que o último colapso aconteceu em algum momento do Plioceno (entre 3 e 5 milhões de anos), uma era de temperaturas quentes.

Os cientistas elaboraram um modelo de informática que simulava, a partir da experiência conhecida do Plioceno, as variações da placa de gelo em um período de 5 milhões de anos.

O resultado foi que a WAIS evoluiu de estar plenamente assentada a uma situação próxima a seu desaparecimento total no equivalente a cerca de poucos milhares de anos.

Em um estudo paralelo publicado pela "Nature", Tim Naish, um especialista em geleiras da Victoria University de Wellington, Nova Zelândia, afirma que há evidências de que a WAIS se derrubou de forma periódica durante o Plioceno.

Ele lembra ainda que, nessa era, os níveis de dióxido de carbono (CO2) na atmosfera eram similares aos atuais. EFE fpb/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG