PKK diz que libertará reféns alemães se Turquia detiver ofensiva militar

Suleimaniya (Iraque), 16 jul (EFE).- O Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK) disse que está disposto a libertar os três alpinistas alemães seqüestrados na semana passada na Turquia se Ancara detiver a campanha militar contra o grupo.

EFE |

O encarregado das relações públicas do PKK no Curdistão iraquiano, Ahmed Deniz, disse à Agência Efe que os montanhistas serão libertados se a "Alemanha mudar sua política e exigir da Turquia o fim de sua ofensiva contra o PKK".

Deniz afirmou que o grupo curdo está "preparado" para entregar os reféns a ONGs internacionais, que atuariam como intermediárias.

Além disso, declarou que, em breve, o PKK emitirá um comunicado a respeito.

Na quinta passada, o PKK tinha dito que só libertaria os alpinistas se o Governo alemão se comprometesse a parar de perseguir os seguidores de sua organização no país.

O grupo é proibido na Alemanha desde 1993 e, embora tenha sido dissolvido em 2002, ainda hoje são realizados atos no país contra simpatizantes do partido.

O seqüestro dos três montanhistas coincide com o aumento dos confrontos entre o Exército da Turquia e o PKK, que está intensificando sua atividade em território turco nos últimos meses.

Os três, de 33, 48 e 65 anos, são originais da Baviera e integravam um grupo de 13 alemães que pretendiam escalar o monte Arat. EFE fm/sc

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG