Piratas somalis sequestram outro navio com produtos químicos

Por Helen Nyambura-Mwaura NAIRÓBI, Quênia (Reuters) - Piratas somalis capturaram um segundo navio usado pela empresa de transporte de produtos químicos Stolt-Nielsen, afirmou nesta terça-feira uma autoridade marítima da região.

Reuters |

Homens armados invadiram o Stolt Strength no golfo de Áden, na segunda-feira à tarde, quase dois meses depois de terem apreendido o Stolt Valor, um navio de transporte de produtos químicos que rumava para a Índia.

"O navio deveria parar em Kandla, na Índia, vindo do Senegal, e carregava ácido fosfórico", disse Andrew Mwangura, do Programa de Assistência aos Marinheiros do Leste da África, que monitora a atividade de piratas na região.

Segundo Mwangura, havia uma tripulação de 23 filipinos a bordo, dois a mais que o imaginado inicialmente. O navio de bandeira filipina é de propriedade da Victorya Ship Management, uma empresa com sede em Manila, acrescentou a autoridade. A embarcação costuma prestar serviços de longo prazo para a Stolt-Nielsen.

Piratas somalis também tentaram capturar um outro navio na segunda-feira, uma embarcação com compartimentos refrigerados e bandeira saudita, afirmou Mwangura. Os criminosos, no entanto, fracassaram em seu intento.

A pirataria na costa da Somália tornou as rotas marítimas que ligam o golfo de Áden, no Oriente Médio, à Ásia e à Europa uma das áreas mais perigosas do mundo.

Na semana passada, os criminosos assumiram o controle de um navio da empresa Clipper Group, da Dinamarca, com 13 tripulantes a bordo.

A Agência Marítima Internacional diz que 199 incidentes de pirataria ou de tentativa de pirataria foram registrados no mundo todo entre janeiro e setembro deste ano, dos quais 63 ocorreram no golfo de Áden e na costa da Somália.

Dez países-membros da União Européia (UE) afirmaram na segunda-feira que contribuiriam para uma operação em meio à qual seriam usadas forças aéreas e navais para vigiar o movimentado canal.

A operação deve ser iniciada em dezembro e envolveria de quatro a seis navios, bem como vários aviões de vigilância marinha.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG