Piratas querem US$ 35 mi para devolver navio

Os piratas que capturaram um navio ucraniano com 21 tripulantes a bordo e 33 tanques exigem resgate de US$ 35 milhões. Eles dizem que não devolverão o navio MV Faina, seqüestrado na costa da Somália na sexta-feira, a menos que recebam o dinheiro.

BBC Brasil |

Um navio da marinha russa está se dirigindo à região e os Estados Unidos disseram estar acompanhando o assunto de perto.

Na sexta-feira, o ministro da Defesa ucraniano, Yury Yekhanurov, confirmou que 33 tanques russos T-72 e uma quantidade significativa de munição estavam em poder dos piratas.

O ministério das Relações Exteriores ucraniano disse que a embarcação se dirigia ao porto queniano de Mombasa quando foi capturado.

O ministério disse que o capitão do navio relatou que havia sido rodeado por três barcos com homens armados na quinta-feira à tarde.

Autoridades da ONU estimam que resgates pagos a piratas que seqüestram navios ultrapassam US$ 100 milhões por ano.

Na semana passada, a França circulou um esboço de resolução da ONU que pede aos países do Conselho de Segurança da ONU que disponibilizem marinha e aeronáutica para combater a pirataria.

Na sexta-feira, a Rússia anunciou que começaria a fazer patrulhas anti-pirataria em águas somalis para proteger cidadãos e navios russos.

Tem havido uma onda recente de pirataria na costa da Somália.

Alguns piratas atualmente mantêm mais de uma dúzia de navios seqüestrados em Eyl, uma cidade na região semi-autônoma de Puntland.

Insurgentes na Somália lutam contra tropas governamentais, aliados etíopes e forças de paz da União Africana em Mogadishu e outras partes do sul da Somália. Não se sabe de uma ligação entre os insurgentes e os piratas.

O país não tem um governo nacional efetivo por 17 anos, levando a um colapso das leis e da ordem tanto em terra como no mar.

Os Estados Unidos têm uma força antiterror em Djibouti, que faz fronteira com a Somália, e já realizaram vários ataques aéreos contra insurgentes islâmicos acusados de abrigar integrantes da al-Qaeda.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG