Piloto britânico ganha batalha com EUA para manter bigode

Um piloto da Força Aérea britânica (RAF, na sigla em inglês) venceu uma batalha contra a Força Aérea dos Estados Unidos para manter seu bigode. O tenente Chris Ball, que está participando de um intercâmbio com a Força Aérea americana no Afeganistão, recebeu ordens para aparar seu bigode de pontas viradas.

BBC Brasil |

O piloto então apelou para regras britânicas e descobriu que a largura de um bigode não vai contra as determinações da RAF. A regra determina apenas que o bigode não pode ir muito abaixo do limite dos lábios.

"O oficial no comando deve ser o árbitro sobre o que é ou não um estilo aceitável em termos de comprimento ou corte", afirmou uma porta-voz do Ministério da Defesa britânico.

A Força Aérea dos Estados Unidos recuou, e o bigode do tenente Chris Ball foi permitido em seu tamanho original.

Individualidade
A porta-voz do Ministério da Defesa britânico também afirmou que existe um Memorando de Entendimento (MOU, na sigla em inglês) que cobre casos de intercâmbio entre oficiais da RAF e da Força Aérea americana.

"O MOU determina que 'oficiais devem seguir as regulamentações de vestuário de seu próprio serviço e a ordem de vestuário para qualquer ocasião deve ser aquela que obedece mais aproximadamente a ordem de vestuário da unidade à qual eles estão servindo'", disse.

"Oficiais de comando locais não devem dar instruções a outros oficiais que não poderão ser obedecidas por razões de diferença nas regulamentações de vestuário", acrescentou.

Rod Littlewood, vice-presidente do Clube do Bigode de Londres, aprovou a decisão da Força Aérea americana e disse que um bigode é uma questão de "individualidade".

Littlewood também lembrou que a própria RAF tem uma longa história com bigodes.

"Uma teoria que liga pilotos a bigodes é que os pilotos pareceriam mais velhos", afirmou. "Durante a Segunda Guerra Mundial, muitos garotos se alistavam para voar quando ainda eram muito jovens."
"Um bigode fazia com que eles parecessem bem mais velhos e mais masculinos", concluiu Littlewood.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG