Phil Spector é condenado a 19 anos de prisão

O produtor musical Phil Spector foi condenado nesta sexta-feira a pelo menos 19 anos de prisão sem direito a redução de pena pelo assassinato em segundo grau de uma atriz em sua mansão de Los Angeles há seis anos, uma condenação que põe fim a uma longa batalha judicial.

AFP |

A sentença oficial lida pelo juiz Larry Paul Fidler condenou o produtor de 69 anos a pelo menos "19 anos sem direito a redução de pena" pelo assassinato em 2003 da atriz Lana Clarkson.

A condenação mínima estipulada para o produtor foi de 15 anos de prisão por assassinato em segundo grau, mais quatro anos por posse de arma no incidente, e o produtor ficará sem direito à liberdade condicional durante esse período.

Spector não fez comentários enquanto era lida a sentença e seu advogado de defesa, Doron Weinberg, prometeu que apelará da condenação por esse caso iniciado há seis anos com a morte de Clarkson, mais conhecida por seu papel no filme 'cult' de 1985 "The Barbarian Queen".

"É um dia triste, mas também um grande dia. É triste pelo insensato assassinato de Lana Clarkson, quando ela vivia seu melhor momento. É um grande dia para nosso sistema judicial", disse o promotor distrital Alan Jackson na saída do tribunal, acrescentando que Spector recebeu a condenação merecida.

A mãe da atriz assassinada, Donna Clarkson, tentando conter as lágrimas, concedeu entrevista à imprensa, mas evitou se referir a Spector e ao assassinato.

"Rezei para que se chegasse à verdade. Todos os nossos planos para o futuro que fizemos juntas foram destruídos", disse Donna, lembrando Lana Clarkson como "sua primeira filha, um precioso presente, uma pessoa com um grande senso de humor, carinhosa, espirituosa, muito inteligente, trabalhadora e generosa".

"Agora, só podemos visitá-la no cemitério", disse aos jornalistas.

Do lado de Spector, a esposa do produtor musical, Rachelle Spector, de 28 anos, o defendeu com vigor.

"Minha reação, meu Deus, meu esposo foi julgado no tribunal da opinião pública, não em um tribunal de justiça. Meu objetivo principal é provar a inocência de meu marido e recuperar sua honra", disse Rachelle.

Spector, que criou a famosa técnica de gravação "Wall of Sound" na década de 1960 quando trabalhava com os maiores nomes da música, recebeu a condenação que havia sido recomendada pelo Ministério Público.

Mas o promotor Jackson escreveu em sua sentença que Clarkson "foi a última de uma série de vítimas que sofreu ataques mortíferos pelas mãos de Phil Spector".

"Como esta corte ouviu durante o julgamento, Spector apontou armas para várias mulheres durante décadas".

O júri que o considerou culpado por assassinato de segundo grau em abril, deliberou sobre o caso durante quase um mês, num julgamento que durou cinco meses, depois que o primeiro processo, em 2007, ficou sem veredicto, já que os jurados não chegaram a um acordo.

Os promotores disseram que Spector disparou e matou a atriz em sua mansão nas primeiras horas do dia 3 de fevereiro de 2003, depois de tê-la conhecido algumas horas antes em um clube de Sunset Strip, onde ela trabalhava.

A defesa assegurou que Clarkson, de 40 anos, suicidou-se devido ao fracasso de sua carreira e por problemas econômicos.

Spector é visto como uma das figuras mais influentes da história da música pop. No início da década de 1960 foi responsável por grandes sucessos como "Da Doo Ron Ron", "Be My Baby, Baby" e "You've Lost That Lovin' Feelin".

Mas durante os processos judiciais, os promotores apelaram para o lado sinistro de Spector, que ficou famoso por seu trabalho com os Beatles, Tina Turner, The Righteous Brothers, The Ronettes e The Ramones.

A acusação retratou Spector como um excêntrico apaixonado pelas armas de fogo com uma "história de violência" contra as mulheres que tentaram deixá-lo.

pb/dm/sd

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG