PF desmonta quadrilha que falsificava telefones celulares

São Paulo, 17 set (EFE).- A Polícia Federal (PF) desmantelou hoje uma quadrilha dedicada ao contrabando de telefones celulares falsificados e ao tráfico de dados de operadoras que era liderada por um conhecido mestre de kung fu e um ex-agente do serviço secreto chileno.

EFE |

O mestre de kung fu Li Kwok Kwen, conhecido como Paulo Li, e outras 15 pessoas, entre elas um ex-oficial do Exército brasileiro e um ex-agente do serviço secreto do Chile, foram detidas em São Paulo e Salvador, segundo a PF.

A quadrilha é acusada de contrabandear mais de quatro mil celulares falsificados provenientes da China, em um negócio que dava lucros próximos a R$ 1 milhão.

Entre os 16 detidos, cinco eram chineses, justamente os que tinham a maioria dos cinco mil telefones celulares confiscados nesta quinta-feira.

O ex-agente chileno e o ex-oficial brasileiro seriam os encarregados de coordenar as operações de inteligência da quadrilha e de manter contatos com informantes da Polícia.

Um dos detidos é um servidor público acusado de informar a quadrilha sobre os movimentos da PF em operações contra o contrabando e um funcionário dos Correios encarregado de receber e distribuir parte da mercadoria.

O grupo também é acusado de traficar dados de registro de clientes das operadoras e emitir certificados falsos de residência e permanência no Brasil para estrangeiros que querem se beneficiar pela Lei de Anistia promulgada recentemente pelo Governo.

Durante as buscas, também foi encontrada uma carga de tênis falsificados fabricada na cidade de Franca (SP). EFE wgm/bba

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG