Os preços do petróleo fecharam em queda pelo segundo dia consecutivo nesta quarta-feira em Londres e Nova York, onde o barril de referência foi negociado abaixo dos 80 dólares, num mercado tenso ante o problema das dívidas soberanas dos países da Europa e do risco de contágio da crise grega." /

Os preços do petróleo fecharam em queda pelo segundo dia consecutivo nesta quarta-feira em Londres e Nova York, onde o barril de referência foi negociado abaixo dos 80 dólares, num mercado tenso ante o problema das dívidas soberanas dos países da Europa e do risco de contágio da crise grega." /

Petróleo fecha em forte queda, abaixo dos US$ 80 em NY

Os preços do petróleo fecharam em queda pelo segundo dia consecutivo nesta quarta-feira em Londres e Nova York, onde o barril de referência foi negociado abaixo dos 80 dólares, num mercado tenso ante o problema das dívidas soberanas dos países da Europa e do risco de contágio da crise grega.

AFP |

Os preços do petróleo fecharam em queda pelo segundo dia consecutivo nesta quarta-feira em Londres e Nova York, onde o barril de referência foi negociado abaixo dos 80 dólares, num mercado tenso ante o problema das dívidas soberanas dos países da Europa e do risco de contágio da crise grega.

No New York Mercantile Exchange (Nymex), o barril do West Texas Intermediate (designação do "light sweet crude" negociado nos EUA) para entrega em junho fechou em 79,97 dólares, em forte baixa de 2,77 dólares em relação à terça-feira.

Esta é a primeira vez que o WTI fecha abaixo dos 80 dólares desde 15 de março.

Em dois dias, o barril de petróleo WTI perdeu 6,22 dólares.

No InterContinentalExchange de Londres, o barril de Brent do Mar do Norte com igual vencimento perdeu 3,06 dólares, a 82,61 dólares.

"Atualmente o contexto é negativo" para os preços, resumiu Tom Bentz, da BNP Paribas.

Durante o pregão, o WTI chegou a cair a 79,15 dólares, o nível mais baixo em dois meses.

Os temores sobre as dívidas soberanas europeias persistem. As manifestações contra as medidas de austeridade na Grécia alcançaram um alto grau de violência, com três mortos durante o dia, ao mesmo tempo em que Portugal pode ver reduzida a nota de sua dívida por parte da agência Moody's.

Além disso, as praças financeiras continuaram fechando em queda, vom "o dólar registrou novos pisos frente a várias moedas, em particular o euro", informou Tom Bentz.

"Os temores macroeconômicos e os efeitos sobre o dólar", que se valoriza, incentivaram as preocupações em relação à demanda, cujos indicadores, no entanto, "mostravam-se satisfatórios" nesta quarta-feira nos Estados Unidos, segundo o informe semanal do departamento de Energia sobre os estoques, explicou Antoine Halff, da Newedge Group.

Nas quatro últimas semanas, o consumo médio de produtos derivados de petróleo por parte dos americanos registrou uma alta de 2% em relação ao mesmo período do ano passado.

mla/ma/sd

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG