PetroChina estuda parar construção de refinaria em Chengdu após terremoto

Hong Kong, 15 mai (EFE).- A PetroChina, maior produtora de petróleo do país, poderia parar a construção de uma unidade petroquímica e de refinaria nos arredores de Chengdu, após o terremoto que assolou a zona na segunda-feira, informou a Rádio Televisão Hong Kong.

EFE |

A companhia adiantou que os planos de construção não irão adiante se os estudos mostrarem que o lugar previsto é propenso a desastres naturais.

As operações em 728 postos de gasolina da PetroChina foram afetadas pelo terremoto. Destes postos, 78 pararam de funcionar.

Além disso, a companhia avisou que as reservas atuais de gasolina poderiam durar cinco dias e as de diesel, três dias.

Entre as 76 plataformas de extração da PetroChina na região afetada pelo tremor, só 16 continuam em operação.

No entanto, o presidente da PetroChina, Jiang Jiemin, afirmou que, apesar dos danos das instalações, as operações da empresa não foram gravemente afetadas.

Outras firmas chinesas, como a companhia petrolífera Sinopec, também foram afetadas pelo terremoto de 7,8 graus na escala Richter.

Segundo a emissora, o Governo chinês anunciou o fechamento de 199 minas de carvão na província de Sichuan, das quais 60 estão inundadas. EFE mch/an

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG