Pesquisadores criam clone de rato a partir de células congeladas

Cientistas japoneses conseguiram criar clones a partir de corpos de ratos que tinham sido congelados há 16 anos. Os cientistas do Centro para Biologia Evolucionária de Kobe afirmam que a técnica poderá levar à possibilidade de recriar criaturas extintas.

BBC Brasil |

Até o momento a clonagem só era possível com o uso de células de doadores vivos, transferindo o DNA do doador para um óvulo receptor.

Desde que a ovelha Dolly foi clonada com sucesso em 1996, o método de clonagem tem sido o mesmo: o núcleo de uma célula é retirado e colocado em um óvulo vazio. O processo de desenvolvimento do clone é iniciado com a ajuda de elementos químicos ou eletricidade.

Danos
Especialistas em clonagem acreditavam que não seria possível o uso de células que foram congeladas e depois descongeladas, pois o gelo poderia danificar o DNA.

Mas a pesquisa japonesa sugere que o gelo não causa danos nem inutiliza o DNA de células para clonagem.

Os cientistas conseguiram criar clones usando neurônios de ratos que tinham sido congelados a 20ºC negativos.

Com isso, os estudiosos lembraram que células de criaturas extintas, como o mamute, poderiam ser clonadas a partir de seus restos.

Corpos congelados de mamutes, de 40 mil anos de idade, já foram encontrados em outras ocasiões.

Mas, segundo os pesquisadores, a falta de espécies adequadas para doar óvulos receptores e para a gestação destes animais é um "grande problema" para que a técnica seja usada em animais extintos ou ameaçados.

A pesquisa do Centro para Biologia Evolucionária de Kobe foi divulgada na revista Proceedings of the National Academy of Sciences. (PNAS).

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG