(embargada até as 19h desta segunda, pelo horário de Brasília) Redação Central, 12 jan (EFE).- Os idosos têm maior pressão sanguínea e sofrem mais hipertensão nos meses mais frios que nas épocas mais quentes, de acordo com um estudo publicado hoje pela revista americana Archives of Internal Medicine.

Na pesquisa, uma equipe do Instituto Nacional da Saúde e da Investigação Médica de Paris explica que os idosos são especialmente suscetíveis às variações de pressão sanguínea relacionadas com a temperatura do ambiente.

Para chegar a esta conclusão, os cientistas analisaram a relação entre pressão sanguínea e temperatura, após medir essa variável em 8.801 indivíduos com 65 ou mais anos, e obter a informação meteorológica durante os dias em que as medições foram feitas.

A pressão sistólica e a diastólica mudaram em cada estação, mas também variaram em função das temperaturas de cada dia: no inverno, a pressão sistólica foi 5 milímetros de mercúrio mais alta que no verão, em média.

Os pesquisadores detectaram hipertensão (a partir de 160 milímetros de mercúrio de pressão sistólica e de 95 milímetros da diastólica) em 33,4% dos participantes no inverno e em 23,8% dos indivíduos no verão.

Os cientistas, no entanto, desconhecem os mecanismos que poderiam explicar a relação entre pressão sanguínea e temperatura.

Apesar disso, sabem que o sistema nervoso simpático se ativa e libera o hormônio catecolamina em resposta às baixas temperaturas, o que, acreditam os cientistas, poderia aumentar a pressão sanguínea, acelerando a velocidade das batidas do coração e diminuindo a capacidade de resposta dos vasos sanguíneos. EFE vmg/db

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.