(embargada até as 15h de 4 de setembro em Brasília) Londres, 3 set (EFE) - A Rede de Investigação do Atlas do Genoma do Câncer publicou hoje na revista científica britânica Nature uma exaustiva análise das causas genéticas do glioblastoma, um dos tumores cerebrais mais agressivos.

Neste estudo, um dos que vão compor o "projeto piloto" deste Atlas, são detalhados dados da informação genética dos indivíduos que sofrem deste tipo de câncer.

Entre eles, a seqüência dos nucleotídeos, o número de cópias dos genes, sua expressão e a alterações por metilação do DNA (substituição de átomos de hidrogênio por grupos metílicos).

Durante sua pesquisa, o consórcio investigador -formado por dezenas de instituições, sobretudo americanas - descobriu, por exemplo, que três genes - ERBB2, NF1 e TP53- desempenham um papel importante no glioblastoma.

Além disso, descobriu mutações desconhecidas na subunidade reguladora da quinase do gene PIK3R1.

Com este trabalho, os cientistas tentaram dar uma visão global dos sinais que o câncer vai emitindo à medida que se desenvolve no organismo.

À parte de sua publicação na "Nature", informação sobre o glioblastoma, um câncer do qual sofre o senador americano Ted Kennedy, também aparecerá na revista científica "Science". EFE vmg/db

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.