Pesquisa aponta empate em substituição de Olmert, em Israel

JERUSALÉM (Reuters) - A ministra das Relações Exteriores israelense, Tzipi Livni, favorita para substituir Ehud Olmert do cargo de chefe do partido Kadima, empataria com o líder do Likud, Benjamin Netanyahu, caso fossem convocadas eleições, segundo uma pesquisa na quinta-feira. Com Livni da direção, o centrista Kadima e o Likud ganhariam, cada um, 28 assentos no parlamento do país, que tem 120 membros. Já o Partido Trabalhista, do ministro da Defesa Ehud Barak, teria 12 assentos, segundo a pesquisa publicada no jornal Haaretz.

Reuters |

Caso o partido governista seja liderado pelo ministro dos Transportes, Shaul Mofaz, maior rival de Livni na corrida para substituir Olmert, o Likud ultrapassaria o Kadima em número de assentos, por 30 a 22. Os trabalhistas ganhariam 13 assentos.

A escolha do novo líder do Kadima será feita no dia 17 de setembro.

Olmert causou confusão política em Israel, o que poderia arruinar o processo de paz no Oriente Médio. No mês passado, ele anunciou que renunciará ao cargo de primeiro-ministro depois que o Kadima escolher seu sucessor.

Olmert está sendo investigado pelas suspeitas de ter recebido suborno de um empreendedor judeu norte-americano e declarar gastos com viagens duas vezes, na época em que era ministro do Comércio e prefeito de Jerusalém. Ele nega as acusações.

Mesmo depois de renunciar, Olmert vai continuar como primeiro-ministro interino até que o sucessor forme um novo governo de coalizão, um processo que pode levar meses.

Isso dá a ele algum tempo para continuar as negociações de paz com os palestinos e as negociações de paz indiretas com a Síria, mas políticos e analistas disseram que ele não terá mandato para fazer com que seu sucessor se comprometa com nada.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG