Lima, 24 abr (EFE).- Um homem não identificado entrou com recursos em vários tribunais de Lima para que o escritor peruano Mario Vargas Llosa seja impedido de dar declarações políticas em seu país, informaram hoje meios de comunicação locais.

As solicitações, noticiadas pelo jornal "Correo", foram rejeitadas pela ministra da Justiça peruana, Rosario Fernández, que as considerou "inaceitáveis e insustentáveis".

O advogado de Vargas Llosa, Enrique Ghersi, afirmou à publicação que a denúncia acusa o escritor de ter "enganado o mundo e a opinião pública peruana" quando, em 31 de janeiro deste ano, disse que o Governo do social-democrata Alan García é "responsável".

O romancista, antigo adversário político de García, deu essas declarações depois de se reunir com o presidente no Palácio do Governo, em Lima.

Nas declarações que fez, a ministra também condenou o mal uso que estão fazendo dos recursos e disse que estes "são procedimentos constitucionais destinados a proteger os direitos fundamentais".

"O direito de opinião é um direito fundamental", declarou Fernández. EFE mmr/sc

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.