Lima, 11 abr (EFE).- As autoridades do Peru pedirão à Corte Suprema do Chile a ampliação da extradição do ex-presidente Alberto Fujimori, para julgá-lo por tráfico de armas e crimes de violações aos direitos humanos, informou hoje o jornal La República, de Lima.

O procurador anticorrupção peruano, Pedro Gamarra, disse ao jornal que já foram aprovados oito dos expedientes que serão acrescentados ao pedido de ampliação da extradição, que foi aceita pela Justiça chilena em setembro de 2007.

"Estamos vendo outros casos, para enviar um grande pacote de expedientes ao Chile, por consistência e também por economia, considerou-se conveniente que estes casos vão juntos", disse Gamarra.

Fujimori foi extraditado do Chile por cinco crimes de corrupção e dois de violações aos direitos humanos.

Por estes últimos, foi condenado na terça-feira passada a 25 anos de prisão, ao ser considerado responsável dos crimes de homicídio qualificado e assassinato com aleivosia, lesões graves e sequestro agravado, nos casos de Barrios Altos e La Cantuta, e o sequestro de um jornalista e um empresário.

O ex-presidente apresentou um recurso de nulidade contra esta condenação, que agora deverá ser vista por outra sala da Corte Suprema em uma segunda e última instância.

Na quarta-feira passada, a Corte Suprema peruana ratificou também outra sentença de seis anos de prisão pelo aplainamento ilegal à casa da esposa do que fora seu assessor Vladimiro Montesinos, Trinidad Becerra, no ano 2000.

A ampliação da extradição compreenderá pedidos para julgá-lo pelo tráfico de 10 mil fuzis de procedência jordaniana às Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), em 2000, pelo qual Montesinos já foi condenado.

Também se buscará julgá-lo pelo massacre de 42 presos por terrorismo em uma penitenciária em Lima de 6 a 9 de maio de 1992, pelo qual é acusado de homicídio qualificado e lesões graves em agravo de outros 60 presos.

Os outros casos, segundo a informação, referem-se ao uso de recursos públicos em proveito próprio ou de interesse político. EFE dub/an

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.