Peru impõe estado de emergência por protestos contra mineradora

Medida tenta conter manifestações no norte do país que bloquearam estradas e afetaram abastecimento de alimento e combustível

iG São Paulo |

O presidente do Peru, Ollanta Humala, declarou na noite de domingo estado de emergência na região de Cajamarca, no norte do país, para garantir a segurança pública num momento de protestos sociais contra um bilionário projeto de mineração de ouro da companhia norte-americana Newmont.

Na semana passada, a pedido do governo, a Newmont suspendeu a construção do projeto Minas Conga, um investimento de US$ 4,8 bilhões, por causa dos protestos de comunidades vizinhas que temem perder suas fontes naturais de água. Os manifestantes pedem que o governo cancele o projeto.

A medida restringe a movimentação e autoriza as Forças Armadas a restabelecer a ordem pública na região a partir desta segunda-feira, por um prazo de 60 dias. Essa é a primeira vez que Humala toma duras medidas para conter protestos.

"O governo tem a obrigação de garantir a vida e a tranquilidade das pessoas, restabelecer os serviços básicos de educação e saúde, impor o respeito à livre movimentação e a preservação da propriedade pública e privada", disse Humala em mensagem à nação.

O estado de emergência se aplicará às províncias de Cajamarca, Celendín, Hualgayoc e Contumasá.
Humala disse ter tomado a medida depois de 11 dias de protestos de várias comunidades contra o projeto de mineração da Minas Conga, que provocaram o bloqueio de estradas e afetou o abastecimento de alimentos e combustíveis na região.

O Peru é o segundo maior produtor mundial de cobre, prata e zinco e o sexto de ouro. A mineração é um dos propulsores de sua economia e é responsável por 60% das exportações do país.

Com Reuters

    Leia tudo sobre: peruhumala

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG