Lady Di medieval - Mundo - iG" /

Peritos dizem ter encontrado ossos da Lady Di medieval

LONDRES ¿ Ela era a linda princesa inglesa que se casou com um dos monarcas europeus mais poderosos e deslumbrou com seu charme e bondade. Agora um time internacional de cientistas diz ter encontrado os restos da princesa Eadgyth (pronuncia-se Edith) ¿ uma nobre do século X que foi comparada à princesa Diana.

AP |

Ela era uma pessoa muito, muito, popular, disse Mark Horton, arqueólogo e professor da Universidade de Bristol, na Inglaterra. Ela era como Diana de sua época ¿ bela e caridosa. Horton é um dos cientistas que estão trabalhando para identificar alguns ossos embrulhados em seda, encontrados em uma sepultura na Catedral de Magdeburg, na Alemanha.

Se o esqueleto for identificado como de Eadgyth, serão os restos mortais mais antigos de uma família real inglesa descobertos até agora. Peritos dizem que sua concorrência mais próxima, os ossos de vários nobres saxões enterrados na Catedral de Winchester, no sul da Inglaterra, estão tão misturados que nenhuma pessoa pode ser claramente identificada.

Se o esqueleto de Eadgyth estiver intacto, será o primeiro identificável da Inglaterra Anglo-Saxã, disse Simon Keynes, professor de história anglo-saxã na Universidade de Cambridge. Ele foi descoberto em uma escavação na Catedral de Magdeburg, a cerca de 150 quilômetros a oeste de Berlim. Pensava-se que o monumento do século XVI, onde o corpo foi encontrado, estava vazio.

Quando os arqueólogos abriram o monumento em 2008, eles encontraram um caixão com seu nome e carregando uma coleção quase completa de ossos embrulhados em seda.

Horton afirma que o esqueleto pertenceu a uma mulher entre 30 e 40 anos de idade. Porém ainda há dúvida se é da antiga princesa: historiadores acreditam que o corpo de Eadgyth foi movido para outros lugares muitas vezes ¿ prática comum com corpos de santos e de pessoas da realeza.


Escultura da Catedral alemã retrata o rei Otto I e Eadgyth. Testes vão confirmar se os restos mortais encontrados pertencem à princesa (Imagem/Reprodução)

A descrição no caixão diz que ela foi movida duas vezes anteriormente, afirma Horton, dizendo ainda que há provas arqueológicas de ao menos mais duas movimentações.É possível que os os ossos tenham se perdido ou tenham sido trocados com de outras pessoas durante essas movimentações, afirmou. Frequentemente eles escavavam ossos velhos e colocavam de volta.

Testes serão feitos para confirmar a idade dos ossos e de onde eles vieram, incluindo análises de isótopo de estrôncio ¿ técnica que permite medir a quantidade de metal no esmalte dos dentes e assim determinar onde a pessoa cresceu. Como o nível de metal encontrado corresponde a diferentes localizações geográficas, a técnica ajuda a identificar onde a pessoa viveu.

O estrôncio vai ser nossa prova irrefutável," acredita Horton.

Gareth Williams, curador do Museu Britânico, disse que a técnica é bem conhecida entre arqueólogos e deve ser capaz de mostrar se o dono do esqueleto cresceu na Alemanha ou na Inglaterra, por exemplo. Segundo Keynes, se ficar provado que os restos vieram do oeste ou sul da Inglaterra, poucas dúvidas restariam que se trata de Eadgyth.

Eadgyth cresceu no início do  século X, quando seu meio irmão, o rei Athelstan, expandiu seu reinado por toda a Inglaterra e contou com suas irmãs para consolidar sua influência nos reinos estrangeiros. Ele ficou conhecido por ter muitas meias-irmãs e por fazer alianças casando elas com outros reis, diz Keynes.

Eadgyth foi destinada ao duque Otto da Saxônia, o filho de um chefe militar que eventualmente se tornaria o primeiro monarca do Sacro Império Romano-Germânico. A história conta que ela e sua irmã mais nova, Adiva, foram apresentadas a Otto, que poderia escolher a que ele gostasse mais. Eadgyth, com sua beleza ganhou da juventude da irmã.

Keynes hesitou ao ser perguntado se Eadgyth poderia ser comparada à Princesa Diana. Mas, ao ler alguns registros históricos, verificou que Eadgyth era descrita como resplandecente e com um charme majestoso. Outro texto diz que ela foi eleita como "a melhor mulher que existiu naqueles tempos.

Com isso, o historiador mudou de ideia: Ela certamente cumpria uma função que a Princesa de Gales cumpriu para muitos britânicos, afirmou. Eadgyth teve com Otto pelo menos dois filhos e, como Diana, morreu jovem, com 36 anos.

O resultados dos exames nos ossos são esperados para daqui seis meses. Nós esperamos que esse caso seja resolvido no meio do ano, disse Horton.

Leia mais sobre: Arqueologia

    Leia tudo sobre: arqueologia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG