Perfil: Promotora Ilda Boccassini é pesadelo de Berlusconi

Com fama de implacável, ela acusa o premiê de prostituição de menor e abuso de poder

iG São Paulo |

A promotora Ilda Boccassini, chamada de La Rossa e conhecida por ser implacável e por sua atuação contra a máfia, é o principal pesadelo de Silvio Berlusconi.

Nascida em Nápoles em 1949, "La Rossa Boccassini" é uma das promotoras responsáveis pela montanha de provas apresentada em Milão para permitir o julgamento do primeiro-ministro italiano por prostituição de menor e abuso de poder.

AP
Ilda Bocccassini esteve frente a frente com Berlusconi quando investigou a infiltração da máfia nas empresas de construção do norte do país (foto de arquivo)
A promotora mais temida da Itália é conhecida nos meios judiciais como uma mulher de "muito caráter, séria e honesta", uma verdadeira "máquina de guerra" por sua tenacidade e técnicas de investigação.

Amiga do célebre juiz antimáfia Giovanni Falcone, assassinado em 1992, Boccassini conseguiu o que para muitos parecia impossível: prender em 1993 Toto Riina, o chefe supremo da temida Cosa Nostra e o homem que organizou os atentados contra Falcone e outro juiz, Paolo Borsellino. Riina cumpre pena de prisão perpétua em Milão.

A promotora já esbarrou com Berlusconi no início de sua carreira, quando investigou a chamada Conexão Duomo, sobre a infiltração da máfia nas empresas de construção do norte do país, ponto de partida da enorme fortuna que acumula o atual premiê.

Após uma breve permanência no tribunal siciliano de Caltanisetta, Boccassini voltou a Milão para trabalhar na equipe de combate à corrupção no caso Mãos Limpas, o escândalo que abalou os partidos políticos no início da década de 90. Em 1994, substituiu o célebre juiz Antonio Di Pietro, hoje líder político e inimigo declarado de Berlusconi.

Boccassini colaborou com importantes promotores, como Gherardo Colombo, e acompanhou o processo no qual Cesare Previti, advogado e amigo de Berlusconi, foi condenado e obrigado a abandonar o direito.

Berlusconi, que até o momento não foi condenado de forma definitiva em qualquer das acusações que responde, será processado em 'procedimento imediato', o que implica na existência de evidências suficientes. Vídeos, fotos, gravações, escutas telefônicas e testemunhos integram a montanha de provas reunida pela promotoria.

"Jamais se montou um processo tão poderoso e sofisticado (...) Foram analisados mais de 150 mil telefonemas para dar o golpe final em Berlusconi", escreveu a revista Panorama.

Segundo Berlusconi, "os promotores pisaram nas leis diante de objetivos políticos e da grande ressonância midiática (...) para inverter a vontade popular".

O primeiro-ministro corre o risco de ser condenado a até três anos de prisão por violar o artigo 600 do Código Penal, que paradoxalmente foi introduzido durante seu governo para combater a prostituição infantil. Também pode ser condenado por abuso de poder, com pena prevista de seis a doze anos de prisão.

Diferentemente de outros julgamentos de Berlusconi, este pode arruinar a carreira professional do premiê italiano, assim como sua vida privada. “Desta vez não é sobre negócios no exterior, contas secretas e paraísos fiscais, mas sobre sexo, dinheiro e poder”, lembrou o diário de Turin La Stampa nesta semana.

Com AFP e AP

    Leia tudo sobre: itáliasilvio berlusconioposiçãopromotoracaso ruby

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG