Peres não pedirá união entre Kadima e Likud

Jerusalém, 16 fev (EFE).- O presidente de Israel, Shimon Peres, começará na quarta-feira os contatos com os líderes dos partidos políticos com representação no Parlamento a fim de se assessorar sobre quem encarregar da formação do próximo Governo, ressaltando que não pedirá que Kadima e Likud formem coalizão.

EFE |

"Na quarta-feira às 18h (13h de Brasília), me entregarão os resultados oficiais", disse hoje Peres em um ato público com estudantes, ao anunciar que após esta formalidade poderá começar a receber os dirigentes políticos.

Peres tem a difícil missão de resolver um dos piores impasses política israelense desde a década de 1980 e escolher a primeiro-ministro, após as urnas darem uma apertada vitória ao partido centrista Kadima, da ministra de Relações Exteriores Tzipi Livni.

Com 28 deputados, Livni tem poucas possibilidades para conseguir uma coalizão diante a maioria conservadora no próximo Parlamento.

O ex-primeiro-ministro e líder do direitista Likud, Benjamin Netanyahu, segundo colocado, com 27 cadeiras, está em situação mais confortável por ter mais chance de formar coalizão com o terceiro partido, Yisrael Beiteinu, de direita ultranacionalista, que conseguiu 15 das 120 vagas no Parlamento.

Com isso, Netanyahu tem boa chance de formar um bloco majoritário com 65 deputados.

Peres descartou pedir a Livni e Netanyahu que formem um Governo de união nacional, porque considera que é seu dever "responder ao desejo do povo".

"O povo me pediu que considere os resultados das eleições de forma honesta e de acordo com a lei, e comunicarei minha decisão após ouvir a todos os partidos", explicou.

Peres deve manter seus contatos por pelo menos 48 horas e, depois, ele convocará o candidato escolhido para oferecê-lo a possibilidade de formar Governo. EFE elb/jp

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG