Pequim, 7 out (EFE).- O Ministério de Assuntos Exteriores da China não descartou hoje a realização de uma nova rodada de diálogo com o dalai lama, anunciada pelo exílio tibetano para o fim deste mês, mas pediu ao líder religioso que crie uma boa atmosfera que permita a realização de novas negociações.

"O dalai lama deve tomar ações concretas para responder os pedidos da China", destacou o porta-voz do Ministério de Exteriores chinês Qin Gang em entrevista coletiva.

Qin não confirmou uma data para a oitava rodada de conversas, ao assinalar que os departamentos governamentais encarregados de organizar estes encontros "oferecerão a informação relevante" no futuro.

O Governo chinês e emissários do dalai lama se reuniram em duas ocasiões desde os violentos incidentes de março deste ano, quando uma revolta da população tibetana em Lhasa, a capital regional, deixou 19 mortos, segundo as autoridades chinesas.

Grupos independentistas tibetanos no exílio asseguraram que a repressão chinesa dessas revoltas deixou mais de 200 mortos.

O dalai lama, exilado em Dharamsala (Índia) desde 1959, deve mandar à oitava rodada seus enviados especiais Lodi Gyaltsen Gyari e Kelsang Gyaltsen, que já participaram das sete etapas anteriores do processo de diálogo. EFE abc/mh

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.