Pequim exige compromissos do dalai lama faltando menos de um mês para Jogos

Pequim, 8 jul (EFE).- Pequim voltou a exigir hoje que o dalai lama se comprometa a apoiar os Jogos Olímpicos e renuncie a atos violentos ou pela independência do Tibete, faltando menos de um mês para o encontro esportivo.

EFE |

Uma semana depois de acontecer em Pequim a sétima rodada de diálogo entre emissários do dalai lama e funcionários do Governo chinês, fontes do Governo central estão sublinhando as diferenças do encontro, que teve caráter secreto.

O Departamento da Frente Unida do Trabalho, entidade do Executivo que mantém o contato com o entorno do líder espiritual tibetano no exílio, reiterou, através da agência oficial chinesa "Xinhua", a exigência de Pequim de que o dalai lama se comprometa com os "quatro pontos a não apoiar".

Estes pontos seriam não apoiar atividades contra os Jogos Olímpicos, nem atividades delitivas violentas, nem os "planos terroristas" do Congresso da Juventude Tibetana (uma ONG pró-independentista), nem apoiar nenhum tipo de atividade que promova a independência do Tibete.

Durante o encontro do chefe deste departamento, Du Qinglin, e os dois emissários do dalai, Lodi Gyari e Kelsang Gyaltsen, estes últimos insistiram em que não era necessário um compromisso de "não violência", já que o movimento tibetano é pacifista. EFE mz/mh

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG