Pequim defende promoção da paz e reconciliação étnica nos Bálcãs

Pequim, 23 jul (EFE).- A China pediu hoje que todas as partes envolvidas tratem de maneira adequada a detenção do ex-líder político servo-bósnio Radovan Karadzic, para promover a paz e a reconciliação étnica nos Bálcãs.

EFE |

Um porta-voz oficial do Ministério de Assuntos Exteriores chinês disse hoje à Agência Efe que Pequim "tomou conhecimento da detenção e das reações das partes envolvidas".

"Desejamos que todas as partes possam tratar o assunto de forma adequada com o objetivo de promover a paz e a estabilidade na região da antiga Iugoslávia e a reconciliação das nacionalidades", afirmou.

Pequim tinha se pronunciado sobre a situação nos Bálcãs pela última vez em fevereiro, quando expressou sua "profunda preocupação" com a independência do Kosovo.

O Governo chinês afirmou na ocasião que a declaração unilateral de independência do Kosovo pode influir negativamente na paz e na estabilidade dos Bálcãs.

"A China se preocupa muito com a ação unilateral do Kosovo e observa de perto a declaração de independência", disse o porta-voz oficial de Assuntos Exteriores, Liu Jianchao. EFE pc/mh

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG