Pentágono repatria ao Afeganistão um dos presos mais jovens de Guantánamo

WASHINGTON - O Pentágono repatriou ao Afeganistão Mohamed Jawad, um dos presos mais jovens de Guantánamo, informaram seus advogados, nesta segunda-feira.

EFE |

Acredita-se que Jawad era menor de idade quando foi detido, em dezembro de 2002, no Afeganistão, supostamente por ter lançado uma granada contra dois militares americanos e seu tradutor, que ficaram feridos.

Em julho, a juíza Ellen Huvelle mandou que ele fosse libertado devido à falta de provas para justificar sua detenção.

"O senhor Jawad finalmente voltou para casa para comemorar o Ramadã com sua família, após sete longos anos", disse em comunicado o major da Força Aérea David Frankt, um de seus advogados.

"Embora o senhor Jawad não possa readquirir os quase sete anos nos quais esteve detido ilegalmente e também torturado, agora pode finalmente voltar à sua família, a seus amigos e a seu país, e começar a restabelecer uma vida normal", acrescentou Jonathan Hafetz, outro dos advogados do ex-preso.

A organização militar Famílias Militares Unidas, que rejeita o fechamento de Guantánamo, afirmou que "a libertação do terrorista (Jawad) é o último exemplo das decisões perigosas tomadas pela Administração" do presidente Barack Obama e que "colocam em risco os soldados americanos".

Jawad foi recrutado por terroristas em uma mesquita em Cabul e recebeu treinamento militar em um acampamento no Afeganistão no final de 2002, de acordo com o Pentágono.

Em dezembro deste ano, ele foi detido pelas forças de segurança desse país e admitiu ter cometido o ataque com a granada, mas depois disse que a confissão foi motivada pela tortura à qual foi submetido, conforme afirmou depois. "Disse tudo o que queriam ouvir", acrescentou.

A juíza Huvelle deu razão a ele em uma sentença na qual suprimiu as declarações pelos maus-tratos aos quais foi submetido.

Os advogados alegam que quando Jawad foi torturado ele tinha 12 anos, enquanto o Pentágono calcula que já tivesse 17.



Leia mais sobre Guantánamo 

    Leia tudo sobre: guantánamo

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG