Pentágono diz que 61 homens libertados de Guantánamo voltaram ao terrorismo

Washington, 13 jan (EFE).- Pelo menos 61 dos homens que estiveram presos na base naval americana de Guantánamo e foram libertados retornaram às atividades terroristas, informou hoje o Pentágono.

EFE |

O porta-voz do Departamento de Defesa Geoff Morrell disse que já foi confirmado que 18 ex-prisioneiros "voltaram à luta", ao passo que há suspeitas de que outros 43 retomaram a prática de atividades violentas.

Além disso, o porta-voz declarou que, para as forças de segurança americanas, aumentou a proporção de homens que, uma vez libertados de Guantánamo, se incorporam a atividades terroristas.

Morell disse que a taxa geral dos terroristas que as autoridades americanas sabem que retornam a "atividades violentas subiu de aproximadamente 7% para 11%". Porém, o funcionário não especificou a que períodos essas porcentagens se referem.

O porta-voz acrescentou que os números são da Agência de Inteligência de Defesa, e se baseiam em impressões digitais, fotografias e relatórios de espionagem.

Atualmente, há 255 detidos em Guantánamo, mas a base naval americana já chegou a abrigar 600 terroristas.

O Pentágono já autorizou a libertação de 50 prisioneiros, mas não pode devolvê-los a seus países de origem porque eles podem ser torturados ou perseguidos. EFE jab/sc

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG