Pentágono admite que dezenas de presos em Guantánamo não serão soltos ou julgados

Entre 50 e 100 detidos na prisão americana de Guantánamo são considerados muito perigosos para obter a liberdade, mas também não podem ser acusados formalmente, admitiu nesta terça-feira o secretário da Defesa, Robert Gates.

AFP |

"A questão agora é o que fazer com os entre 50 a 100 presos que não podemos libertar e também não podemos julgar" nos tribunais militares especiais, disse Gates durante uma audiência no Senado. "É uma questão que segue indefinida".

A administração Obama está revisando com atenção os expedientes de cerca de 240 detidos para determinar quem pode ser transferido para outros países e quem será julgado nos tribunais civis ou militares especiais instaurados durante o governo de George W. Bush, revelou Gates.

O atual governo pede ao Congresso cerca de 50 milhões de dólares para administrar o fechamento de Guantánamo, que o presidente Barack Obama determinou em janeiro passado, destacou Gates.

"Começamos a discutir esta semana os casos dos detidos que não poderão ser transferidos para outros países e também não serão julgados pelas cortes federais", destacou Gates, ao informar que o departamento de Justiça ficará encarregado de reexaminar todos os expedientes dos presos.

dab/LR

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG