Pelo menos 80 pessoas são detidas por crimes eleitorais na Venezuela

CARACAS - O chefe do Comando Estratégico Operacional (CEO) da Venezuela, major-general Jesús González, informou que 80 pessoas foram detidas em todo o país por cometer delitos eleitorais durante a realização do referendo sobre a emenda constitucional proposta pelo governo do presidente Hugo Chávez.

Ansa |

O chefe militar também expressou que, ainda que as forças de ordem tenham tido que realizar algumas detenções, as eleições se desenvolvem em "uma situação de quase absoluta ordem e tranqüilidade em todo o país".     

González indicou que os delitos eleitorais cometidos foram: danificação do comprovante de voto emitido pela urna eletrônica, alteração da tinta utilizada para marcar o dedo das pessoas que já emitiram seus votos, falsidade ideológica, campanha política, desacato à autoridade, voto duplo e uma situação onde uma pessoa danificou a tela da urna eletrônica.     

Destas 80 detenções, 15 foram realizadas no estado de Táchira, próximo da fronteira com a Colômbia, e quatro no estado de Portuguesa, oeste do país.     

A informação oficial indica que as pessoas que danificaram o comprovante de voto intencionalmente o fizeram como modo de protesto porque a máquina computou o voto da opção contrária à de sua preferência ou emitiu um voto nulo.

Aproximadamente 17 milhões de venezuelanos estão habilitados a votar no referendo sobre a emenda constitucional que permite a reeleição indefinida para todos os cargos públicos eletivos do país e que, na prática, possibilita a Chávez, no poder desde 1999, tentar um terceiro mandato em 2012.

    Leia tudo sobre: chávez

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG