ataque suicida que matou 41 peregrinos." / ataque suicida que matou 41 peregrinos." /

Pelo menos 23 peregrinos xiitas morrem em atentado em Kerbala

Pelo menos 23 peregrinos xiitas, incluindo uma mulher e três crianças, morreram nesta quarta-feira e 117 ficaram feridos em um atentado na entrada da cidade sagrada iraquiana de Kerbala, ao sul de Bagdá, dois dias depois de um http://ultimosegundo.ig.com.br/mundo/2010/02/01/mulher+mata+41+peregrinos+xiitas+em+explosao+suicida+no+iraque+9383674.html target=_topataque suicida que matou 41 peregrinos.

iG São Paulo |

"Nos hospitais Huseini e Al-Hindiya recebemos até o momento 23 mortos e 117 feridos na explosão, mas o balanço não é definitivo", afirmou uma fonte do Departamento de Saúde da província, que fica 110 km ao sul de Bagdá. O balanço anterior registrava 17 mortos e 116 feridos.

Segundo a mesma fonte, que pediu para não ter o nome divulgado, a explosão aconteceu na estrada que vai de Hila a Kerbala, onde os peregrinos chegam em grande número para participar na sexta-feira d a celebração religiosa do Arbain, que assinala os 40 dias de luto por Hussein, neto do profeta Maomé, que morreu em uma batalha em Kerbala no século 7.

Uma fonte do Ministério do Interior informou que a explosão foi um atentado suicida com um micro-ônibus carregado de explosivos.

O ataque aconteceu apesar da presença de 30 mil membros dos serviços de segurança ao redor e no interior da cidade sagrada.


Apesar de segurança reforçada com detectores de metais,
xiitas ainda são alvos de ataques durante peregrinação / AP

Ataque na segunda-feira

Na segunda-feira, uma mulher-bomba matou 41 peregrinos xiitas e feriu outros 106 em uma estrada perto de Bagdá, atentado atribuído pelo governo aos partidários do ex-presidente Saddam Hussein e da Al-Qaeda.

A explosão suicida aconteceu no momento em que milhares de xiitas lotavam as ruas para o início de uma marcha árdua para a cidade de Kerbala, a 80 quilômetros a sudoeste de Bagdá, para participarem do ritual religioso do Arbain.


Peregrinos xiitas caminham em estrada para Kerbala / AP

"As pessoas estavam servindo comida aos peregrinos. Uma mulher envolta em um cinturão de explosivos entrou na tenda e matou e feriu muitas pessoas e crianças", disse o peregrino Sahib, que estava perto da tenda.

Alvos xiitas

É provável que ocorra mais violência durante o período religioso do Arbain e antes da eleição, quando se suspeita que grupos islâmicos sunitas procurem enfraquecer o governo de Nuri al-Maliki, liderado por xiitas.

Desde que a invasão liderada pelos EUA em 2003 derrubou o governo sunita de Saddamn Hussein, milhões de xiitas do Iraque, Irã, Barein e outros países vêm desafiando a ameaça dos atentados suicidas para visitar locais sagrados xiitas no Iraque.

Celebração de Arbain

O Arbain celebra os 40 dias de luto por Hussein, neto do profeta Maomé, que morreu em uma batalha em Kerbala no século 7. Centenas de milhares de peregrinos lotam a cidade para o ritual, batendo em seus peitos e cabeças em sinal de luto ritual.


Celebração do Arbain lembra a morte do neto do profeta Maomé / AFP

Muitos percorrem centenas de quilômetros a pé para chegar a Kerbala. Sob o governo de Saddam, o Arbain era reprimido, assim como outros grandes rituais xiitas.

Dezenas de milhares de soldados e policiais foram enviados para proteger os peregrinos e para cercar o santuário do reverenciado imã Hussein em Kerbala. Mas suspeitos extremistas sunitas, que vêem os xiitas como apóstatas, ainda conseguem furar o cerco.

* Com AFP e Reuters

Leia mais sobre Iraque

    Leia tudo sobre: iraque

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG